Em meio à crise, Black Friday lota as lojas nos EUA

Federação Nacional de Varejo prevê que 152 milhões de pessoas irão às lojas neste fim de semana, alta de 10,1% ante o ano passado

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2011 | 03h05

Consumidores lotaram as lojas nos Estados Unidos na noite de quinta-feira e na madrugada de sexta buscando promoções de televisores, videogames e brinquedos, apesar da confiança quanto à economia norte-americana permanecer instável.

Algumas lojas, com o objetivo de atrair o máximo de clientes possível, naquela que deve ser uma temporada de compras mediana, deram início às promoções que seguem o dia de Ação de Graças na própria noite de quinta-feira ou abriram à meia-noite pela primeira vez em anos, dando a largada para a Black Friday, que marca o início da temporada de compras nos EUA.

A estratégia parece estar funcionando, tendo em vista as 300 pessoas que faziam fila em uma loja da Toys R Us em Long Island, Nova York, antes da abertura às 21h (horário local) de quinta-feira, enquanto clientes e funcionários em outras lojas viam que a multidão era maior do que antes.

Os consumidores estavam atrás de promoções, mas aqueles como James McBreaty são exatamente o que os lojistas querem: comprarão produtos além dos descontos tentadores oferecidos."Viemos para as promoções, mas estávamos discutindo se compraremos itens que não estão com desconto", disse McBreaty, um advogado de 32 anos que estava na fila com a esposa, Nicole. "A loja inteira não está com desconto, mas, já que estamos aqui, provavelmente compraremos algo de qualquer forma", acrescentou.

A Federação Nacional de Varejo prevê que 152 milhões de pessoas irão às lojas neste fim de semana, alta de 10,1% ante o ano passado. Na prática, a temporada de compras já vinha acontecendo havia algum tempo, visto que redes como Walmart e Toys R Us começaram a oferecer descontos mais cedo.

Varejistas como a Amazon.com e o Walmart também estavam realizando promoções na Internet, considerando que o feriado de Ação de Graças se tornou um dos períodos mais importantes do ano para as vendas online.

Empresários do varejo e analistas preveem uma temporada de compras mais desafiante do que a vista em 2010. O desemprego nos EUA ainda está em 9 %, a dívida europeia preocupa o mercado de ações e a confiança do consumidor segue instável.

Lição de casa. Muitos consumidores dizem que fizeram a lição de casa antes de ir às compras. "Isso me permitir fazer todas as minhas de compras de fim de ano muito mais rápido", comenta Barbara Lawrence, enquanto ela e a mãe empurram dois carrinhos lotados de mercadorias no estacionamento de uma unidade do Walmart. Como fazem muito outros compradores, elas ainda iriam passar por diversas outras lojas ontem. Na semana passada ela já tinha feito uma lista de onde estavam os melhores preços, pesquisando nos sites das lojas e no anúncios .

De acordo com uma pesquisa do International Council of Shopping Centers, 34% dos consumidores dizem que planejam fazer compras na Black Friday, acima da marca de 31% registrada em 2010 e dos 26% de 2009.

"As lojas estão extremamente lotadas", disse Jevin Eagle, diretor de marketing e merchandising da Staples. "Mas ainda é muito cedo para dizer se vamos atingir as metas. É uma maratona longa", comentou. Steven Castro, líder de vendas de eletrônicos portáteis da unidade da Best Buy em Union Square, disse que o fluxo de clientes foi constante durante a madrugada, com pequenos momentos de pico a cada hora, aproximadamente. /AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.