Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Em meio à crise do mercado de PCs, Dell fecha capital

Após meses de conflitos e negociações, Michael Dell e o fundo de investimentos Silver Lake concluem plano de compra da fabricante

Agências internacionais, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2013 | 02h21

Depois de meses de conflitos e negociações difíceis, a Dell finalmente acaba de se tornar uma empresa de capital fechado. A fabricante de computadores informou ontem que a venda por US$ 24,9 bilhões ao seu fundador, Michael Dell, e à empresa de investimentos Silver Lake foi concluída. O fechamento ocorre mais de um mês depois que os acionistas aprovaram o acordo, e significava que as ações da Dell deixariam de ser negociadas em bolsa no fim do dia.

A conclusão do negócio segue-se também a uma briga violenta entre Dell e o investidor bilionário Carl C. Icahn, que afirmou asperamente que o preço da aquisição foi muito baixo. "Retirei minha demanda pelo valor justo das minhas ações na Dell. Baseando-se em nossos retornos de capital, acreditamos fazer melhor uso dos US$ 2 bilhões", disse Icahn no Twitter à época. 

Dell e a Silver Lake concordaram em elevar ligeiramente sua proposta para US$ 13,88 por ação em dinheiro vivo.

"Hoje, a Dell ingressa num novo capítulo emocionante como empresa de capital fechado", disse Dell em um comunicado. "Nossas equipes, compostas por 110 mil membros em todo o mundo, estão 100% focadas em nossos clientes e executam agressivamente nossa estratégia de longo prazo em benefício deles".

As ações da Dell permaneciam inalteradas ao meio-dia de ontem, negociadas a US$ 13,86.

Recomeço. Agora virá o duro trabalho de reviver a outrora pioneira da indústria de computadores, profundamente afetada pela queda das vendas de computadores pessoais e pelo aumento das de smartphones e tablets.

Dell considera que a companhia já tem uma nova estratégia: concentrar-se nos serviços para clientes empresariais. O que virá a seguir será a ampliação de suas atividades longe dos olhos dos analistas de pesquisa e dos investidores em geral.

Segundo dados da consultoria IDC, foram vendidos 81,6 milhões de computadores no terceiro trimestre, uma queda de 7,6% na comparação com o mesmo período do ano passado. Foi o sexto trimestre consecutivo de queda nas vendas.

A chinesa Lenovo é a líder do setor, com 17,3% do mercado - a empresa registrou um crescimento mundial de 2,2% - seguida pela HP, que conta com 17,1%.

A Dell ficou na terceira posição, com 11,7% do total e conseguindo crescer 0,3% em relação ao trimestre anterior.

No Brasil, as vendas de PCs continuavam em queda no Brasil no segundo trimestre de 2013. Segundo dados do IDC Brasil, foram comercializadas 10% menos unidades em relação ao mesmo período em 2012, totalizando 3,6 milhões de PCs no período.

Customização. Michael Dell fundou sua empresa em 1984, no dormitório estudantil onde morava, na Universidade do Texas, em Austin.

Desde o início, a empresa já oferecia a seus clientes a possibilidade de personalização de seus computadores, com escolha de peças e componentes.

Outra característica que diferenciou a empresa da concorrência também estava presente desde o começo: a venda direta de computadores a clientes, sem passar pelas grandes redes do varejo.

Em 1992, a empresa já figurava na lista da Fortune de 500 maiores empresas do mundo, com capital de US$ 80 milhões. Dell, então com 27 anos, foi o CEO mais jovem a aparecer na lista da revista. Sediada na região de Austin desde seus primórdios, a empresa tem um total de 110 mil funcionários em todo o mundo. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.