Yannis Behrakis/Reuters
Yannis Behrakis/Reuters

Em meio à crise, Grécia aprova lei 'antipobreza' para famílias de baixa renda

Governo fornecerá energia elétrica e vale-transporte gratuito para população com renda menor; credores do país não deram aval para a decisão

Estadão Conteúdo

19 de março de 2015 | 08h34

O Parlamento grego aprovou nesta quinta-feira, 18, uma lei "antipobreza" que prevê o fornecimento de energia elétrica gratuita e vale-refeição para famílias de baixa renda, apesar de não ter recebido o sinal verde de credores internacionais, o que representa mais um obstáculo às negociações de socorro ao país.

Esta é a primeira vez que os parlamentares aprovam uma lei desde as eleições de janeiro, nas quais o partido esquerdista Syriza, liderado pelo agora primeiro-ministro Alexis Tsipras, se saiu vencedor. As medidas devem custar 200 milhões de euros ao governo, que prometeu compensar os gastos cortando despesas de ministérios e adotando um sistema mais transparente para a concessão de contratos públicos.

Em um discurso no Parlamento, Tsipras disse aos parlamentares, antes da votação, que o projeto é do interesse do país e que a Grécia vai avançar com outros movimentos que não foram aprovados pelos credores internacionais, incluindo a reabertura de sua emissora estatal. "Esta é a primeira lei em cinco anos que não tira nada das pessoas, mas sim oferece", disse Tsipras.

Na esperança de encontrar uma solução política, o primeiro-ministro grego se reunirá nesta quinta-feira com a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente francês, François Hollande, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e Jeroen Dijsselbloem, que lidera o grupo de ministros das Finanças da zona do euro, depois de uma reunião de cúpula da UE em Bruxelas. (Com informações da Dow Jones Newswires).

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciapobrezaenergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.