Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Em meio a temores, Fed começa a divulgar projeções trimestrais

Anúncio de dados mais constante se dá em meio a temores sobre economia.

Bruno Garcez, BBC

20 de novembro de 2007 | 05h55

O Federal Reserve, ou Fed, como é conhecido o Banco Central americano, começa a divulgar a partir desta terça-feira relatórios mais freqüentes de suas projeções para a economia americana.As projeções do Fed relativas a desemprego, crescimento econômico e inflação passarão a ser divulgados a cada trimestre, em vez de a cada semestre, como era a prática do órgão desde 1979.Além disso, em vez de prognósticos para os próximos dois anos, como de praxe, as projeções do Fed passarão a ser para os próximos três anos.O anúncio do Fed se dá em meio a crescentes temores do mercado financeiro mundial em relação ao estado da economia americana, o declínio do dólar frente a outras moedas e o risco de o país entrar em recessão.Os prognósticos são formulados em cima das expectativas dos sete governadores e 12 presidentes de bancos regionais que integram o Fed, bem como da expectativa deles em relação aos principais riscos enfrentados pela economia do país. Juntamente com as projeções, o banco ainda irá divulgar a visão dos administradores e chefes de banco a respeito dos principais riscos. Em um discurso realizado em Washington, na semana passada, o presidente do Fed, Ben Bernanke, afirmou que a divulgação mais constante de dados ''é mais um passo no caminho de promover maior transparência dentro do Fed''.O Fed promoveu dois cortes consecutivos da taxa básica de juros, o primeiro em setembro, seguido de outro em outubro. A taxa atualmente é de 4,5% ao ano. Os cortes foram uma resposta do Fed à atual crise econômica, desencadeada, em boa parte, pelos problemas no setor americano de hipotecas de alto risco (subprime), que enfrenta alta inadimplência.Na segunda-feira, o Fed divulgou que a produção industrial americana registrou sua maior retração nos últimos nove meses. A queda foi influenciada pelas crises no setor imobiliário e automobilístico. Segundo o Fed, a produção no país recuou 0,5%, após ter aumentado 0,2% em setembro. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.