BC nega ter dado chancela para que autoridade suíça aprovasse venda do BSI a Esteves

Em nota divulgada na noite desta sábado, o Banco Central do Brasil (BCB) afirma que não deu "chancela" para que a agência reguladora dos bancos suíços, a Finma, aprovasse a venda do banco BSI, com sede em Lugano, para o BTG Pactual, do banqueiro André Esteves, em 2014. "A autorização para funcionamento, aquisição e mudança de controle é de competência de cada supervisor nacional. Assim, nenhum intercâmbio específico de informações foi feito entre o BCB e a Finma para chancelar o negócio, cabendo exclusivamente à autoridade de supervisão suíça a autorização da operação, sem quaisquer interferências da supervisão brasileira", destacou o comunicado.

O Estado de S. Paulo

12 de dezembro de 2015 | 20h44

Ainda no comunicado oficial, o BC ressalta que a troca de informações entre supervisores não apenas é parte da rotina do trabalho destes órgãos como é o padrão da boa supervisão. "Esse intercâmbio integra os 'Core Principles for Effective Banking Supervision' (Core Principle 3), espécie de documento-base, elaborado pelo Comitê da Basileia para a Supervisão Bancária, e relativamente ao qual a supervisão brasileira é aderente', destaca. "A troca de informações, contudo, não contempla, em momento algum qualquer 'chancela', tampouco interferência nas competências de cada supervisor nacional." 

Mais conteúdo sobre:
BSIAndré EstevesBanco Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.