Em nova tacada, BC tira remuneração de compulsório

O Banco Central retirou nesta quinta-feira a remuneração de boa parte dos depósitos a prazo que os bancos são obrigados a recolher à autoridade monetária, em um esforço para pressionar as instituições a repassarem recursos ao mercado em meio à retração da liquidez. Segundo circular do BC, a partir do dia 14 de novembro, 70 por cento dos depósitos a prazo que os bancos são obrigados a recolher ao banco passarão a ser feitos em espécie e não serão remunerados. Este volume corresponde a 28 bilhões de reais, segundo o BC. Os 30 por cento restantes dos depósitos continuarão a ser recolhidos junto ao BC em títulos --como acontecia com a totalidade desse compulsório até então. A medida visa estimular as instituições a usar a prerrogativa, instituída este mês pelo BC, de abater até 70 por cento deste compulsório desde que redirecionem os recursos para a compra de carteiras de créditos e outros ativos de bancos de pequeno e médio portes. Diante do aumento da aversão a risco desencadeado pela crise financeira mundial, os bancos vinham optando por deixar os recursos no BC. Com o fim da remuneração, há o incentivo para que as instituições apliquem os recursos. A circular do BC incluiu, ainda, os depósitos interfinanceiros de instituições não-ligadas entre os ativos que podem ser comprados pelos bancos grandes para fim de abatimento do compulsório. (Reportagem de Isabel Versiani)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.