Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Em novo Minha Casa, governo quer regularizar imóveis e ajudar em reformas

Governo também estuda reduzir as taxas de juros pagas pelos brasileiros na contratação de financiamentos do Minha Casa, Minha Vida

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2020 | 11h54

BRASÍLIA - A reformulação do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida deve focar num amplo esforço de regularização e titularização fundiária, segundo apurou o Estadão/Broadcast. A ideia do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, é fazer um mapeamento de casas que já existem em áreas que sejam regularizáveis e conceder o título da propriedade e do terreno.

O governo cobriria os custos dessa operação, numa articulação com prefeituras, e também daria recursos para a família reformar a casa ou construir um cômodo (como banheiro, por exemplo) para tornar a habitação adequada à moradia. Uma das propostas é que o dinheiro seja repassado por meio de um cartão, mas o modelo ainda está sendo avaliado para aferir a correta aplicação do recurso.

O novo modelo tem sido discutido com representantes da construção civil e deve ser debatido nesta sexta-feira, 20, em reunião de Marinho com o presidente Jair Bolsonaro. Num momento de crise por conta do avanço do novo coronavírus, a retomada de obras poderia dar um impulso na atividade econômica.

O modelo que estava sendo discutido antes, de concessão de um “voucher” (vale que asseguraria um crédito para adquirir, construir ou reformar uma casa) está em parte descartado. A ideia é que o governo ajude as famílias apenas na questão da adequação da casa já existente.

O desenho não seria um substituto completo da faixa 1 do programa, que foca nas famílias de baixa renda e, nos últimos anos, entregou centenas de milhares de casas erguidas com recursos da União.

Segundo apurou a reportagem, o faixa 1 continuaria existindo, mas com o foco de entregar unidades já contratadas (inclusive com retomada de obras) e, no futuro, receber pessoas que moram em área de risco ou precisam ser reassentadas. Para isso, novas contratações seriam “bem mais restritas”.

No caso da iniciativa de regularização e titularização fundiária, a ideia é fazer um chamamento junto aos municípios para verificar quem tem interesse na iniciativa. O governo bancaria custos cartoriais e com emissão de laudos necessários à regularização. Para isso, a casa não pode estar em área de preservação ambiental, nem em terreno privado (o que requereria pagamento de indenização), nem ser área de risco.

A avaliação é de que há brasileiros que vivem em casas com boas condições, mas o terreno é irregular. Nesse caso, não há necessidade de removê-lo da moradia, mas apenas melhorá-la e regularizar a área.

O governo ainda estuda como vai operacionalizar esse modelo, uma vez que envolve alguns procedimentos mais complexos. Além disso, ainda depende da disponibilidade de recursos no Orçamento para bancar os custos com a regularização e com as reformas das casas.

Governo vai reduzir juros cobrados no Minha Casa

O governo também estuda reduzir as taxas de juros pagas pelos brasileiros na contratação de financiamentos do Minha Casa, Minha Vida. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, um corte de 0,5 ponto porcentual no juro da faixa 1,5 (para famílias com renda até R$ 2,6 mil) é dado como certo. A taxa cairia de 5% para 4,5% ao ano.

Uma eventual redução do juro nas demais faixas ainda está sendo discutida no governo. A faixa 2, para famílias com renda até R$ 4 mil, tem taxa de juros de 5,5% a 7% ao ano. Já na faixa 3, para famílias com renda até R$ 7 mil, a taxa é de 8,16% ao ano.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, a ideia é repassar ao mutuário a queda de 0,5 ponto porcentual na taxa de administração do FGTS cobrada pela Caixa Econômica Federal, que caiu de 1% para 0,5%. A medida foi aprovada no ano passado.

A medida vai baratear o custo do crédito para as famílias num momento em que a taxa básica (Selic) está no piso histórico e os próprios financiamentos habitacionais concedidos pelo mercado estão ficando mais baratos que algumas linhas da Caixa.

Outra vantagem da redução dos juros é que o subsídio do FGTS aos financiamentos das faixas 1,5 e 2 diminuiria, abrindo espaço para que os recursos do fundo de garantia dos trabalhadores sejam direcionados à contratação de novas moradias do faixa 1 do programa, voltado à baixa renda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.