Em palestra em Goiás, Meirelles não menciona juros

Dois dias depois de o Comitê de Política Monetária (Copom) ter decidido subir os juros, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, defendeu a estabilidade do poder de compra da moeda como forma de se criar empregos. Em palestra de 20 minutos para políticos e empresários do interior de Goiás, ele não citou nenhuma vez a palavra juros e foi aplaudido de pé pela platéia. Durante o evento, o presidente da Assembléia Legislativa de Goiás, Jardel Sebba (PSDB), citou Meirelles como um dos nomes "no hall dos presidenciáveis" para a eleição de 2010.O presidente do BC não citou os juros durante a palestra para cerca de 300 pessoas sobre as perspectivas da economia brasileira em um centro cultural da cidade de Catalão, a cerca de 250 quilômetros de Goiânia. Mas defendeu que o poder de compra da moeda tem de ser mantido para que as conquistas econômicas não sejam perdidas. "A estabilidade traz empregos ao contrário do que se pensava no passado", disse. Ao destacar a importância do poder de compra da moeda, citou rapidamente que a trajetória da inflação dentro das metas é um dos fatores para que a economia possa ter condições de crescer de forma sustentável. Outro aspecto importante, disse, é ter reservas internacionais e situação fiscal consistente. "Tudo isso dá condições para se criar empregos."No início da palestra, Sebba apresentou Meirelles, que é goiano de Anápolis, como um dos nomes cotados para disputar a presidência da República em 2010. "Meirelles está no hall dos presidenciáveis. Ele é um homem que pensa no futuro do Brasil", disse, ao lembrar que a economia estável permitiu que melhorassem os indicadores de renda e emprego. No final da palestra, Meirelles brincou quando foi questionado pelos jornalistas se é um nome para 2010. "Eleição de 2010? Não ouvi nada disso", disse rindo. O clima do evento, no entanto, era muito semelhante ao de uma eleição. Antes e depois da palestra, Meirelles cumprimentou dezenas de pessoas - inclusive uma criança - no centro cultural da cidade e tirou uma série de fotos acompanhado de políticos e empresários.Antes da palestra sobre economia, Meirelles foi recebido por um grupo de cerca de 30 empresários da cidade de Catalão. Em reunião fechada na Câmara de Dirigentes Lojistas, o grupo pediu apoio para que o campus da Universidade Federal de Goiás na cidade possa se tornar uma universidade autônoma, o que criaria a Universidade Federal de Catalão. O presidente da Câmara dos Lojistas, Geraldo Vieira Rocha, disse que Meirelles prometeu aos empresários "apadrinhar" a idéia. "Ele disse que vai apadrinhar e levar a causa para Brasília". Rocha admitiu que o poder de Meirelles sobre o tema, por ser presidente do BC, é pequeno. "Mas ele é um homem de muita importância em Brasília e é um filho ilustre de Goiás que vai levar essa causa para frente", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.