Pixabay/Reprodução
Pixabay/Reprodução

Serasa Limpa Nome: Ação que dá descontos de até 90% em dívidas termina no próximo dia 31

Valor máximo para quitação dos débitos é de R$ 100; com isso, abatimentos nos valores variam entre 50% e 90% 

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2020 | 09h09
Atualizado 01 de outubro de 2020 | 17h58

Com descontos de até 90% em dívidas, ação da Serasa, por meio do Serasa Limpa Nome, com 21 empresas participantes termina na próxima segunda-feira, 31. Os débitos que podem ser negociados vão de R$ 200 a R$ 1 mil. Independentemente do valor da dívida, se estiver dentro dessa janela, o valor a ser pago para quitar o débito será de R$ 100. Saiba como participar. 

Para poder ter acesso à iniciativa, é preciso que a dívida esteja sob domínio de uma das empresas participantes. São elas: 

  • Algar 
  • Anhanguera 
  • Ativos S.A. 
  • Avon 
  • Calcard 
  • Casas Bahia
  • Credsystem 
  • Hoepers 
  • Itapeva 
  • Iuni 
  • Pernambucanas 
  • Pitagoras 
  • Ponto Frio 
  • Recovery 
  • Tricard 
  • Uniderp
  • Unime
  • Unique
  • Unirondon
  • Unopar
  • Vivo

Para quem tiver uma negativação de R$ 1 mil, por exemplo, ao pagar R$ 100 na regularização, o desconto final será de 90%. Esse é o porcentual máximo que pode ser atingido na ação. Se for uma conta de R$ 200, que é o valor mínimo para conseguir redução no valor da dívida, a queda será de 50%. Esse é o menor porcentual de desconto que pode ser alcançado. 

De acordo com a Serasa, até o momento, mais de 1 milhão de pessoas renegociaram duas dívidas nessa ação e aproveitaram os descontos, pelos canais digitais da empresa. 

A renegociação pode ser feita no site da Serasa. Também é possível checar as dívidas no aplicativo, disponível para Android e iOS. As agências da Serasa estão fechadas por causa da pandemia de covid-19. Para quem preferir, é possível solicitar negociações também pelo Whatsapp, pelo número (11) 98870 - 7025. 

Tudo o que sabemos sobre:
SerasaSerasa Experianinadimplência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.