Eugenio Moraes/Hoje em Dia
Eugenio Moraes/Hoje em Dia

Em PE, caminhoneiros reivindicam transporte de veículos da Fiat

Em protesto, cegonheiros pedem que metade dos veículos produzidos em fábrica no litoral pernambucano sejam transportados por trabalhadores naturais do Estado

Angela Lacerda, especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

24 Fevereiro 2015 | 13h17

RECIFE - Com 12 carretas, bandeiras e carros de som, cegonheiros ligados ao Sindicato dos Transportadores Autônomos de Veículos Automotores e Correlatos (Sintrave-PE) realizaram protesto e passeata na manhã desta terça-feira, 24, no Cais de Santa Rota, no Recife, reivindicando contratação de profissionais pernambucanos para fazer o transporte dos veículos produzidos pela Fiat em Pernambuco. O ato provocou engarrafamentos na área central da cidade.

O jeep Renegade, produzido pela unidade no município de Goiana, na zona da mata, começa a chegar às concessionárias  a partir de abril. De acordo com o vice-presidente do Sintrave-PE, Luciano Pontes, a reivindicação é a de que pelo menos 50% dos veículos produzidos em Goiana, litoral do Estado, sejam transportados por cegonheiros pernambucanos. 

O transporte dos veículos da Fiat é realizado pela empresa Sada, de Minas Gerais, há 37 anos. Em 2012, a empresa ganhou novo contrato, dentro de uma política de sustentabilidade, baseada na redução no número de viagens, de acordo com nota enviada à imprensa.  

Assim, de acordo com a Sada, os veículos que saem da sede da empresa, em Minas Gerais, em direção a Pernambuco são os mesmos que levam os veículos fabricados em Goiana ao Sudeste do País. Com esta estratégia, a empresa realiza 23 mil viagens a menos e poupa 42 milhões de diesel por ano.

A empresa disse ainda que o efetivo responsável por esse sistema conta com a participação de 30 cegonheiros pernambucanos e informa que em breve, mais 12 profissionais locais devem ser contratados para levar os veículos ao Norte e ao Nordeste brasileiros. A Sada afirmou também que, quando a fábrica de Goiana atingir seu máximo potencial produtivo, em 2016, outros 28 motoristas serão contratados em Pernambuco.

Mais conteúdo sobre:
Greve caminhoneiros.Pernambuco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.