finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Em pregão apático sem Nova York, Bovespa cai 0,70%

Queda nas ações da Petrobras, em razão da notícia de empréstimo da CEF, também prejudica o índice

Claudia Violante, da Agência Estado,

27 de novembro de 2008 | 18h31

Como era esperado neste feriado norte-americano do Dia de Ação de Graças, e depois de três pregões em alta, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) engatou uma realização de lucros. Mas o movimento foi muito tímido e pautado por baixo volume de negócios, além da fraca vontade dos investidores em se desfazer de papéis. O Ibovespa terminou o dia com desvalorização de 0,70%, aos 36.212,65 pontos. Oscilou entre a mínima de 36.114 pontos (-0,97%) e a máxima de 36.817 pontos (+0,95%). No mês, acumula perdas de 2,80% e, no ano, de 43,32%. O giro financeiro foi o menor de novembro, ao somar meros R$ 1,739 bilhão. Os dados são preliminares. Veja também:Empréstimo da Caixa à Petrobras preocupa, diz especialistaAcusação da oposição sobre a Petrobras é ridícula, diz DilmaPetrobras divulga comunicado sobre sua saúde financeiraEmpréstimo para a Petrobras é operação comum, diz CaixaDe olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise   Apesar de o índice ter subido mais de 16% em 3 pregões, reduzindo consideravelmente as perdas de novembro até a quarta-feira, os investidores não se mostravam muito entusiasmados para engatar uma forte realização de lucros. As notícias positivas dos últimos dias lá fora acenderam a vontade de que a crise pode estar dando indícios de melhora, o que leva à manutenção e também à compra de papéis - hoje, o governo espanhol anunciou que vai aprovar um pacote de estímulo de € 11 bilhões para reativar a economia. Ainda é cedo para fazer prognósticos, mas explica a queda tímida do Ibovespa nesta sessão. Diante da apatia justificada pela folga de um feriado, foi amplificada a notícia de que a Petrobras pegou um empréstimo de R$ 2 bilhões da Caixa Econômica Federal para recompor seu caixa. Os recursos teriam sido levantados no fim de outubro e, segundo o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que apresentou a denúncia, haveria suspeita de que a estatal estaria sofrendo sério problema de caixa. A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, negou que a operação fosse um sinal de que a estatal estivesse descapitalizada. "Foi um problema imediato de caixa" para pagar impostos, segundo ela. E a própria estatal minimizou a operação. Perto do término da sessão da Bovespa, o diretor de Relações com Investidores da Petrobras, Almir Barbassa, disse que a operação com a CEF é trivial e que, como essa, a estatal fez 21 outras iguais ao longo do ano com outras instituições.  Os papéis da Petrobras fecharam em baixa de 2,48% os ON e 2,78% os PN. No pregão eletrônico da Nymex, o petróleo para janeiro operava, às 18h20, em baixa de 0,72%, a US$ 54,05. A outra blue chip, Vale, fechou em baixa de 1,96% a ON e de 0,94% a PNA.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraCrise nos EUABovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.