Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Em queda de braço com Trump, México defende integração na América Latina

Presidente Enrique Peña Nieto quer 'maior integração' entre países dos blocos Aliança do Pacífico e Mercosul; país passa por negociações tensas para refazer acordo com Estados Unidos e Canadá

Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2018 | 21h34

PUERTO VALLARTA - O presidente mexicano Enrique Peña Nieto disse nesta segunda-feira, 23, que a aproximação da Aliança do Pacífico com o Mercosul “tenta explorar a maior integração e comércio” entre os países da América Latina.

+ Presidente do México apela a Donald Trump para salvar Nafta

Anfitrião do encontro entre presidentes dos dois blocos, o presidente classificou ainda o processo de negociação do Tratado Norte-Americano de Livre-Comércio (Nafta) como “sensível”, mas afirmou que isso permitirá a “modernização” do acordo. “Estamos sentados à mesa”, disse ele, sobre a negociação do acordo com Estados Unidos, Canadá e México.

Ao falar sobre as negociações comerciais do México, ele afirmou que a Aliança do Pacífico ocupa papel “muito central”. O estreitamento de laços comerciais com a América do Sul é visto como uma maneira de dar peso ao México na mesa de negociação com os americanos, em meio a ameaças do presidente americano Donald Trump de acabar com o acordo.

Peña Nieto participou de encontro dos quatro presidentes da Aliança do Pacífico com empresários. Depois do evento, o mexicano irá encontrar o presidente brasileiro, Michel Temer, que chegou ao México nesta segunda-feira para participar do encontro de cúpula. A reunião oficial entre os presidentes dos dois grupos acontece nesta terça-feira.

Em artigo publicado nesta segunda no Estadão, Temer afirmou que irá celebrar um acordo entre Brasil e México para agilizar “trâmites aduaneiros” e facilitar o intercâmbio comercial. Ele ainda prevê a assinatura de um protocolo com a Colômbia sobre comércio de serviços. “Num mundo de tendências protecionistas e isolacionistas, é emblemático que o Mercosul e a Aliança do Pacífico se reúnam para empunhar a bandeira do livre-comércio e do entendimento”, escreveu Temer em artigo ao jornal.

O presidente deve falar com a imprensa após o encontro com Peña Nieto. À noite, todos os presidentes presentes se reúnem em jantar. Mauricio Macri, da Argentina, Horácio Cartes, do Paraguai, não vieram ao encontro.

Temer chegou a pedir um encontro com o futuro presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, que assumirá a chefia do Executivo do país em dezembro. Obrador, no entanto, recusou o convite para participar da cúpula por não ter sido formalizado como presidente pela Justiça Eleitoral.

Temer passará menos de 24 horas na cidade litorânea do México. Antes disso, fará uma reunião bilateral com Sebastian Piñera, do Chile. Daqui, o avião presidencial segue para Brasília, de onde o presidente parte para Johannesburgo, na África do Sul, em encontro dos líderes dos Brics.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.