Em reunião do FMI, Brasil volta a criticar subsídios agrícolas

O ministro da Fazenda, GuidoMantega, pediu no domingo uma conclusão rápida da Rodada deDoha na Organização Mundial do Comércio (OMC) e defendeu aeliminação dos subsídios agrícolas nos países ricos. A turbulência nos mercados e a recente alta generalizadanos preços dos alimentos apenas elevaram a "urgência" daconcretização de um acordo para a liberalização do comércioagrícola mundial, acrescentou. "A crise financeira aumentou a urgência da conclusão de umaRodada de Doha ambiciosa e em prol do desenvolvimento, que levaa uma eliminação dos subsídios agrícolas e das tarifas nospaíses desenvolvidos", afirmou Mantega em um comunicado durantea reunião do FMI. Num momento em que os preços altos dos alimentos provocamfome, protestos e instabilidade política, é importantedesenvolver a agricultura e incentivar a compra de alimentos deprodutores locais, avaliou. "Muitos pequenos agricultores são expulsos do mercadodevido a distorções criadas pelos subsídios agrícolas", disseMantega. O Brasil, juntamente com a Índia, é um defensor ativo dosinteresses dos países em desenvolvimento na Organização Mundialdo Comércio. Autoridades de vários países ricos, incluindo os EUA e aUnião Européia, que destinam milhões de dólares em subsídiosaos produtores agrícolas, esperam concluir a Rodada de Dohaneste ano. Mantega falou em nome do Brasil, Colômbia, RepúblicaDominicana, Equador, Haiti, Panamá, Filipinas, Suriname eTrinidad e Tobago na reunião do Comitê de Desenvolvimento doFundo Monetário Internacional, que concluiu o encontro deprimavera neste domingo. (Por Adriana Garcia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.