'Em SP, a chance de adquirir bens é maior'

"Com o que consegui trabalhando em São Paulo, comprei uma casa e um terreno para abrir a minha clínica estética em Vitória da Conquista. Também penso em ter uma loja de roupa. Só estou esperando chegar janeiro para deixar Paraisópolis e voltar para a minha cidade. Meu marido também vai voltar. Ele quer montar uma oficina e uma academia. Não vou dizer que agora já tenho todo o dinheiro para construir tudo o que eu quero, mas vou conseguir. Nós viemos para São Paulo faz dez anos. Quando chegamos, a gente era casado há dois anos e a nossa primeira filha tinha dois meses. No começo, ficamos na casa de um irmão, aqui mesmo em Paraisópolis, por uns três ou quatro meses. Na época, o meu esposo procurou um curso de autoelétrica, e eu procurei um de cabeleireiro. Já trabalhava na área desde os 14 anos. Na minha cidade, não havia os cursos que eu queria fazer, mas hoje Vitória da Conquista está muito grande, tem mais oportunidade. Em São Paulo, percebemos que a nossa possibilidade de adquirir bens era muito maior do que se tivéssemos ficado por lá. O que conseguiria aqui em 10 anos eu demoraria 20 ou 30 anos lá. Mas eu sempre pretendi voltar. Assim que a gente adquirisse uma casa própria e um lugar para eu trabalhar, iríamos voltar. E foi isso que aconteceu. Investíamos lá tudo o que fomos ganhando. Este ano eu tive a segunda gravidez. São Paulo é muito bom para trabalhar, mas para criar filho é mais difícil. Eu queria voltar em setembro, mas adiei porque não posso deixar minha amiga, que trabalha comigo no salão de cabeleireiro, em pleno final do ano, quando há mais movimento." / LUIZ GUILHERME GERBELLI

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.