Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Em tom conciliador, Maia diz que momento é de união e que sempre confiou em Guedes

Presidente da Câmara disse ser preciso eliminar os 'ruídos' com o governo, mas evitou responder perguntas sobre a desoneração da folha ou a criação de uma nova CPMF

Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2020 | 17h38

BRASÍLIA - Em tom conciliador, o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou que o momento é de diálogo e união de esforços com o governo. Ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, o parlamentar afirmou que sempre confiou no chefe da equipe econômica e sinalizou apoio às pautas consideradas prioritárias para o governo que, segundo ele, vão a voto a partir de agosto.

"Acho que está na hora de voltarmos a ter reuniões periódicas e permanentes. Sempre tive uma enorme confiança no ministro Paulo Guedes. Na minha última eleição Guedes foi decisivo e eu vim aqui dizer a ele isso, do meu compromisso de pauta da modernização do Estado brasileiro, de melhoria do ambiente de negócio do setor privado", disse.

Nos últimos dias, Guedes e Maia ensaiam uma aproximação em busca de entendimento sobre a pauta econômica, após atritos durante a pandemia do novo coronavírus. Maia afirmou que é necessário "tirar da frente" qualquer ruído sobre a relação com o governo federal.

"Nós sabemos que o governo tem demandas importantes que já estão na Câmara e que vão à voto a partir de agosto, a lei do gás, de recuperação judicial e a lei cambial, que o Banco Central já vem há muito tempo", afirmou. "Como ele, também acredito muito que o Brasil vai crescer, gerando marcos regulatórios e segurança jurídica para investir."

Maia também ressaltou a discussão da indexação do Orçamento e das PECs encaminhadas pela equipe econômica no ano passado que tratam de medidas de ajuste fiscal, travadas no Senado por conta da pandemia. 

"São muito importantes em qualquer momento, mas principalmente em um momento como esse de pandemia e depois pós pandemia onde as pressões por investimentos e depois por aumento de despesas e proteção aos mais vulneráveis vão aparecer. A gente tem que olhar todas as oportunidades,"

Questionado, Maia evitou responder sobre medidas de desoneração da folha de pagamento e a consequente recriação de um imposto nos moldes da CPMF para bancá-la. Ele afirmou que o debate deve ficar para depois e que o momento é de foco nos assuntos que unem o governo e o parlamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.