Beto Barata / PR
Beto Barata / PR

Em último dia na China, Temer defende responsabilidade fiscal e abertura econômica

Presidente embarcou de volta para o Brasil na madrugada desta terça-feira (horário de Brasília)

Cláudia Trevisan, enviada especial, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 04h44

XIAMEN/China - No último dia de sua viagem à China, o presidente Michel Temer disse que responsabilidade fiscal e abertura econômica ao mundo são os dois eixos que norteiam a atuação de seu governo e o processo de reformas que tenta implementar. Durante encontro dos países dos Brics com outras cinco nações em desenvolvimento, ele defendeu o sistema multilateral e disse que o desenvolvimento deve ser compartilhado.

“Devolvemos ao País o rumo do desenvolvimento - e o fizemos escolhendo o caminho responsável. Enfrentamos, sem rodeios, os desafios de uma economia que, com urgência, precisava voltar a crescer, voltar a gerar empregos e renda” declarou em discurso aos líderes dos dez países. Além de China, Rússia, Índia e África do Sul, parceiros no Brics, participaram do encontro México, Tailândia, Egito, Tajiquistão e Guiné. 

O evento foi o último compromisso de Temer em seus dias de viagem à China. O presidente embarcou de volta ao Brasil pouco depois das 13h (2h de Brasília) de terça-feira. Sua chegada em Brasília está prevista para às 6h de quarta-feira, horário local. O presidente realizou uma visita de Estado, na qual foi recebida pelo presidente Xi Jinping e o primeiro-ministro Li Keqiang na sexta-feira. No domingo, ele viajou a Xiamen, no Sul do país, para participar da 9ª Cúpula dos Brics, que teve um encontro ampliado no dia seguinte com cinco países convidados pela China. 

O desequilíbrio das contas públicas foi a primeira crise enfrentada por seu governo, disse Temer em seu discurso. A resposta, ressaltou, foi a apresentação de uma agenda de reformas. “Nosso pressuposto era –e segue sendo– o de que o equilíbrio fiscal é condição para o crescimento com inclusão social.”

Segundo o presidente, a economia começa a dar sinais de recuperação, com a criação de novos postos de trabalho. Temer ressaltou que isso ocorreu sem o comprometimento da capacidade de o Estado investir em áreas básicas, como saúde e educação. “Responsabilidade fiscal e responsabilidade social são dois lados de uma mesma moeda.”

Temer ressaltou que estratégias de desenvolvimento bem-sucedidas exigem o aumento da integração aos fluxos globais de comércio e de investimentos. O encontro dos Brics seria uma das manifestações do processo de maior integração econômica ao mundo, observou. Nossa postura de abertura ao mundo traduz-se, ainda, na firme defesa de um sistema internacional baseado em regras definidas coletivamente. O compromisso do Brasil com o multilateralismo é inequívoco.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.