Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Em vídeos para funcionários, Parente e executivos defendem política de preços da Petrobrás

Presidente da Petrobrás tenta desarmar críticas que têm sido feitas contra a atual gestão e lembra período em que a política de reajustes mensais levou a companhia a perder participação no mercado

Renata Batista, Fernanda Nunes e Vinicius Neder , O Estado de S.Paulo

31 Maio 2018 | 13h44

Na berlinda desde o início da greve dos caminhoneiros, a Petrobras saiu em defesa de sua política de preços de derivados para os próprios funcionários. Em uma série de vídeos, o presidente Pedro Parente e executivos de médio escalão de várias áreas da companhia falam sobre estratégia de refino, formação de preço, endividamento e justificam os reajustes diários. Na prática, rebatem alegações da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e pedem “reflexão aos funcionários” sobre os movimentos recentes de caminhoneiros e petroleiros.

“Será que esse seria efetivamente o caminho para a gente melhorar a situação da nossa companhia?”, questiona o gerente executivo de recursos humanos da Petrobras, Jose Luiz Marcusso.

+ Por bolsa caminhoneiro, governo corta orçamento de estatais e tira benefícios de exportadores

Em um dos vídeos, divulgados no início da semana, Parente diz que a situação ainda não está 100% e que ainda há “coisas para acontecer até voltar à normalidade”. Justifica a política de reajustes diários, lembrando do período, no ano passado, em que a política de reajustes mensais levou a companhia a perder participação no mercado. Na época, a cotação do barril do petróleo estava em um dos níveis mais baixos dos últimos anos e a companhia praticava preços no mercado interno mais altos do que os de derivados importados, o que levou os concorrentes a aumentarem as importações.

“A frequência (dos reajustes) não é escolha caprichosa da diretoria. A frequência diária dos reajustes é fundamental porque nos dá a chance de lidar melhor com nossas participações no mercado. Quando a gente faz reajustes mensais fica exposto a perdas de participação no mercado, como observou em 2017 quando, no caso do diesel, nosso market share chegou a cair para 67%”, diz Parente no vídeo. 

O presidente da Petrobras e executivos das áreas de logística e exploração e produção tentam desarmar críticas que têm sido feitas contra a atual gestão em relação ao aproveitamento da capacidade de refino, que seria determinante para a ampliação as importações de derivados em um momento de preço de petróleo desfavorável. Parente tenta mostrar que não é o responsável por esse tipo de decisão. “Não tenho esse poder. Nem saberia fazer”, diz, sobre a carga das refinarias.

+ Greve dos caminhoneiros: quem paga?

“Nossas refinarias têm capacidade de transformar petróleo em derivados mais valiosos, mas existe um ponto ótimo. A partir de um determinado ponto, começamos a gerar derivados que valem menos ou que não têm mercado perto de onde produzo, e começo a gerar custos de transporte”, explica Cláudio Rogério Linassi Mastella, gerente executivo de logística da Área de Refino e Gás Natural.

Em outros vídeos, Dênis Dinelli, gerente da gestão integrada de exploração e produção, destaca os custos embutidos nos preços dos derivados para desarmar a tese de que a Petrobras produz o barril a US$ 10. Já a gerente executiva de finanças, Bianca Nasser Patrocinio, fala sobre gestão recente do endividamento da empresa.

“No passado recente, a Petrobras vendeu gasolina e diesel abaixo do preço do petróleo. É como se estivesse vendendo filé mignon abaixo do preço do boi”, afirma Ricardo Besada, gerente executivo da controladoria, ressaltando a importância da política adotada para equacionar a situação financeira a companhia.

+ Bolsa cai 10,87% em maio e tem pior mês desde setembro de 2014

Segundo a assessoria de imprensa da Petrobras, os vídeos fazem parte de “ações de esclarecimento”, intensificadas e direcionadas ao público interno porque as políticas da companhia “tiveram sua exposição potencializada em função da greve dos caminhoneiros”. Os vídeos foram publicados na intranet corporativa e também foram enviados por celular.

“O envio por celular atende à demanda dos próprios empregados, tanto de áreas operacionais quanto daqueles que trabalham nos escritórios”, diz a Petrobras, em nota, informando que todos os vídeos forma produzidos internamente.

+ Federação dos petroleiros suspende greve e orienta sindicatos a retomarem atividades

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.