AP Photo/Kirsty Wigglesworth
AP Photo/Kirsty Wigglesworth

coluna

Thiago de Aragão: investidor estrangeiro vê como irreal promessa de Guedes de 4 privatizações em 90 dias

Em visita ao Brasil, ministro britânico diz que Reino Unido quer se aproximar do País

Trata-de da primeira visita ao exterior de Burns, nomeado para o cargo em julho pelo novo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. 

Renata Agostini, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2019 | 22h24

BRASÍLIA - O Reino Unido deseja aproximar-se do Brasil num momento em que se prepara para deixar a União Europeia e para redesenhar seu relacionamento com o mundo, afirmou o ministro para o Comércio Exterior britânico, Conor Burns.

“Nossa decisão de deixar a União Europeia não é apenas de sair de instituições políticas. É uma tentativa determinada e deliberada de nos engajar novamente com o resto do mundo”, disse o ministro, que participou nesta terça, 20, de cerimônia de assinatura de um programa de cooperação entre o Reino Unido e o Brasil, em Brasília. “Minha presença aqui é uma declaração de intenções de que a relação bilateral é extremamente importante.”

Trata-de da primeira visita ao exterior de Burns, nomeado para o cargo em julho pelo novo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson

A escolha do Brasil como destino, disse Burns, reforça a mensagem de que o País está entre as prioridades para o Reino Unido. Além de Brasília, o britânico visitou o Rio de Janeiro, onde se reuniu com empresários e com o governador Wilson Witzel.

Segundo Burns, há interesse por parte do Reino Unido e do Brasil de que as relações comerciais se aprofundem. Mas não é possível falar no momento, por exemplo, de tratativas para um acordo de comércio amplo. 

O britânico lembrou que, antes de tratar desse tema, o Reino Unido precisa finalizar sua saída da União Europeia, processo conhecido como Brexit. Johnson já indicou que isso deve ocorrer até 31 de outubro.

“É algo que queremos fazer: aprofundar nossas relações comerciais, aumentar o volume de comércio”, disse Burns. “O mecanismo exato de como isso vai acontecer temos de esperar um pouco para ver”, afirmou. 

Logo após a assinatura do acordo entre Mercosul e União Europeia, o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, incluiu o Reino Unido na lista de países que o Brasil buscaria tratativas comerciais.

Conors não quis comentar se as recentes notícias de que o desmatamento na Amazônia está aumentando podem ser um empecilho para que a agenda bilateral avance. 

Segundo ele, o Brasil tem “ambições legítimas de levar prosperidade ao seu povo” e isso pode ser feito sem prejudicar compromissos de preservação. 

Programa de cooperação com o Brasil

Presente no evento em Brasília, o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, afirmou que o governo brasileiro não só irá cumprir os compromissos já assumidos como recentemente firmou outros na área ambiental ao assinar o tratado de livre-comércio com a União Europeia. 

“O presidente Donald Trump disse que gostaria de iniciar negociações comerciais com o Brasil e Conor Burns está aqui. Acho que não pode haver prova mais concreta de que não apenas o Brasil está aberto para negócios como a comunidade internacional está disposta a fazer negócios com o Brasil”, afirmou Troyjo, argumentando que, se houvesse dúvidas quanto à disposição do Brasil de manter seus compromissos de preservação, esses países estariam temerosos de se aproximar neste momento. 

Burns e Troyjo se reuniram para lançar um programa de cooperação para facilitação do comércio, que prevê investimento no Brasil por parte do governo britânico de 20 milhões de libras esterlinas - cerca de R$ 100 milhões pelo câmbio atual. Os recursos virão do Prosperity Fund, do governo britânico, que financia iniciativas em países em desenvolvimento. 

Pelo programa, que vinha sendo negociado desde 2016, o Reino Unido oferecerá assistência técnica e promoverá atividades que estimulem micro, pequenas e médias empresas a exportarem seus produtos ao exterior. 

Segundo o governo britânico, um dos focos da iniciativa serão as “barreiras não tarifárias”. O objetivo é reduzir essas barreiras ao comércio, facilitando que empresas estrangeiras aumentem sua participação no mercado brasileiro. 

Uma das linhas de atuação será ainda apoiar o alinhamento do Brasil com normas técnicas da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). 

Em junho, Brasil e o Reino Unido já haviam anunciado cooperação técnica bilateral na área de saúde num programa também associado ao Prosperity Fund. 

Há também iniciativas em curso em educação, energia e “finanças verdes”. No total, o Reino Unido diz que irá investir no Brasil 80 milhões de libras esterlinas nos próximos quatro anos por meio desse fundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.