Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Embaixador avalia que Cancún não favorece acordo birregional

O fracasso da reunião ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC) em Cancún certamente causará um impacto "pouco favorável" sobre o processo bi-regional Mercosul - União Européia (UE) e também sobre todos o processos em geral, avalia o negociador José Alfredo Graça Lima, embaixador da representação do Brasil junto às comunidades européias, em Bruxelas. Segundo Graça Lima, com os últimos desdobramentos do sistema multilateral, o processo birregional não vislumbra boas e rápidas perspectivas. "Se no passado já era difícil definirmos que o acordo (birregional) se concluiria em 2005, hoje eu diria que é virtualmente impossível", reforça o embaixador. O cenário levado em conta é a falta de consenso no processo multilateral para eliminação dos subsídios agrícolas, questão fundamental para o Grupo dos países em desenvolvimento, coordenado pelo Brasil.

Agencia Estado,

15 de setembro de 2003 | 16h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.