Embaixador da UE critica "resistência ideológica" do Brasil

O embaixador da União Européia no Brasil, Alberto Navarro, culpou hoje a "resistência ideológica" do Brasil pela ausência de uma oferta do Mercosul sobre compras governamentais na negociação do acordo de livre comércio entre os dois blocos. Embora não seja tema prioritário nas demandas européias, a questão tornou-se um dos focos de atrito na rodada do Comitê de Negociações Birregionais (CNB), que será concluída nesta sexta-feira em Bruxelas.Às vésperas de deixar a representação das comunidades européias para assumir a Secretaria de Relações com a UE do novo governo da Espanha, no próximo dia 10, Navarro apontou a postura brasileira, assim como a baixa ambição da proposta do Mercosul em outros dois temas de interesse dos europeus ? a abertura do setor de serviços e as regras sobre investimentos ? como os fatores que limitam as concessões da UE na área agrícola.Ele acredita que o consumidor brasileiro seria o principal favorecido de um acordo que envolvesse de forma substancial as compras governamentais, por contribuir para a redução de gastos das três esferas do governo, a diminuição da corrupção e a abertura de mercados no exterior aos produtos brasileiros. Para Navarro, inevitavelmente, o acordo entre o Mercosul e a União Européia deverá trazer cláusulas de proteção aos investimentos, ?mas não no mesmo nível do que havia sido determinado nos acordos bilaterais? que o País desistiu de executar. ?O Brasil também terá o interesse de proteger seus investimentos, na medida que as empresas brasileiras expandam suas atividades no exterior?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.