José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil

Embaixador diz que China está disposta a negociar sobretaxas a produtos do Brasil

Diminuição das tarifas foi um dos assuntos tratados entre o presidente Michel Temer e Xi Jinping durante a 10ª Cúpula do Brics

O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2018 | 16h51

O embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang, afirmou, em entrevista à Agência Brasil, que as autoridades chinesas “têm toda a vontade” de buscar com as autoridades brasileiras uma solução para diminuir ou eliminar as sobretaxas a produtos brasileiros, como a carne de frango e o açúcar. "Essa é uma questão técnica. Precisa de negociação conjunta entre os órgãos relacionados e especialistas para encontrar uma solução adequada”, afirmou.

A liberação das sobretaxas chinesas foi um dos assuntos tratados entre o presidente Michel Temer e seu colega chinês Xi Jinping durante a 10ª Cúpula do Brics (bloco que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), realizada na semana passada, em Johannesburgo (África do Sul).

Li Jinzhang disse que o Brasil fez uma parceria estratégica com a China há muitos anos e que essa união “trouxe benefícios reais para os dois países, para os dois povos e para o desenvolvimento econômico e social dos dois lados”.

Ele destacou na entrevista que, no ano passado, 50% de toda a importação de soja da China no mundo veio do Brasil. "O presidente Temer fez uma proposta de exportar mais óleo de soja. Ambas as partes podem aprofundar essa discussão daqui para a frente. Vamos discutir com base nos agronegócios. Acho que esse assunto tem um grande futuro", disse.

O embaixador afirmou também que, sobre investimentos, ambas as partes já definiram as áreas prioritárias: energia, telecomunicações, infraestrutura, agricultura e ciência e tecnologia. "A área de infraestrutura é a área mais importante de nossa cooperação. O governo brasileiro espera que as empresas chinesas aumentem investimentos nessa área. E o governo chinês também motivará as empresas chinesas a aprofundarem a cooperação nessas áreas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.