Embalagem menor pode conter distorção de preço

Nas compras em supermercados, o consumidor deve estar atento às distorções de preços em produtos da mesma marca e modelo, mas acondicionados em embalagens de tamanhos diferentes. Isso porque essa diferença de peso ou tamanho de um mesmo produto pode significar prejuízo, caso o investidor não compare a proporcionalidade entre o tamanho da embalagem e o preço do produto. O alerta foi feito por especialistas em defesa do consumidor, como a Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, e a Confederação Nacional das Donas de Casa e Consumidores.A técnica do Procon-SP, Cristina Rafael Martinussi, afirma que existem produtos de um mesmo fabricante com diferenças de preços desproporcionais em relação ao peso ou tamanho da embalagem. "Nem sempre vale a pena comprar o que custa menos. É preciso comparar os preços das embalagens maiores e menores, verificando a proporcionalidade e, dessa forma, checar o que é realmente vantajoso", avisa.Atenção nos preçosPrestar sempre atenção no preço de todas as apresentações do produto e fazer comparações também é a dica da presidente da Confederação Nacional das Donas de Casa e Consumidores, Lúcia Pacífico. "Nem sempre o produto que pesa menos ou tem um tamanho menor tem um preço menor proporcionalmente", afirma ela que também é coordenadora executiva do Movimento das Donas de Casa de Minas Gerais.A prática utilizada por algumas empresas em não utilizar preços proporcionais ao tamanho de suas embalagens é legal e não fere os direitos do consumidor, segundo Lúcia Pacífico. "Mas o consumidor pode se proteger. Ele deve fazer comparações, evitar os produtos mais caros e sempre pesquisar as melhores ofertas e promoções", alerta. Veja no link abaixo como o consumidor pode economizar nas suas compras no supermercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.