Embargo russo à carne brasileira pode durar um ano

As autoridades veterinárias da Rússia informaram que irão manter o embargo comercial sobre a carne bovina brasileira do Mato Grosso do Sul e do Paraná por pelo menos um ano. A produção dos demais estados sob embargo será observada por, no mínimo, seis meses. Se as autoridades brasileiras não forem capazes de recuperar a confiança em relação ao controle da febre aftosa durante o tempo indicado, o embargo poderá ser estendido indefinidamente, acrescentou o vice-diretor do serviço veterinário da Rússia, Evgeny Nepoklonov, em comunicado publicado hoje. O comunicado segue-se à reunião realizada ontem com técnicos sanitários brasileiros, em Moscou."Está claro que o serviço veterinário brasileiro não pode garantir a segurança em relação à febre aftosa e não pode detectá-la rapidamente. Observaremos o Mato Grosso do Sul e o Paraná por, no mínimo, um ano e os estados adjacentes por, ao menos, seis meses", disse.A Rússia impôs o embargo em outubro às importações de carne bovina de Mato Grosso do Sul devido ao caso de febre aftosa tipo 0 registrado na região. A descoberta de um segundo foco levou a Rússia a estender a barreira comercial em 9 de dezembro para o Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso, São Paulo e Goiás.Cerca de 14% das exportações de carne bovina do Brasil vão para a Rússia. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

22 de dezembro de 2005 | 10h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.