Embargo russo à carne brasileira será ampliado a partir de amanhã

Exportadores de animais vivos, carnes suína, bovina e de aves, além de produtos como o leite, estão proibidos de vender para a Rússia a partir de amanhã. O embargo vale para os produtos de Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso, Goiás, São Paulo e Minas Gerais e é reflexo do foco de febre aftosa diagnosticado neste mês no município de São Sebastião da Amoreira, no Paraná. Em outubro, a Rússia, também por causa da aftosa, suspendeu as compras de Mato Grosso do Sul.A suspensão comercial foi comunicada ao Ministério da Agricultura na sexta-feira da semana passada. Para os dois Estados que registraram focos de aftosa também estão proibidas as vendas de insumos pecuários e rações para animais, bem como equipamentos para manutenção, abate e processamento de animais. Para os outros seis Estados, estão proibidas as compras de animais vivos, carnes suína e bovina e produtos de carne crua de suínos e bovinos.TentativaPara iniciar as negociações que terão por objetivo reverter o embargo da Rússia à carne e produtos do Brasil, uma missão do governo brasileiro embarcará amanhã para Moscou. O objetivo dos técnicos da Secretaria de Defesa Agropecuária é obter esclarecimentos detalhados das autoridades sanitárias russas sobre as restrições e negociar a suspensão do embargo."Queremos primeiro conhecer as razões pelas quais os russos adotaram esse embargo. Não vemos nenhuma justificativa para tal gesto", disse o coordenador geral de Combate às Doenças do Ministério da Agricultura, Jamil Gomes de Souza. A área técnica do ministério questiona, por exemplo, o embargo ao Rio Grande do Sul, que não faz divisas com Mato Grosso do Sul ou Paraná, Estados que tiveram focos de aftosa neste ano.A Rússia foi, no mês de novembro, o principal comprador de carne bovina do Brasil. No mês passado, o país comprou 28,7 mil toneladas de carne bovina in natura do Brasil. No acumulado de janeiro a novembro deste ano, a receita cambial obtida com as vendas somou US$ 530,4 milhões, aumento de 132% na comparação com igual período de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.