Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Embargo russo à carne está no fim, diz ministro

O embargo russo às carnes brasileiras, imposto em junho de 2011, "está chegando ao fim", avaliou ontem o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, após reunião com a ministra da Agricultura da Rússia, Yelena Skrynnik. Ele disse que está otimista em relação a reunião prevista para segunda-feira em Buenos Aires entre técnicos brasileiros e russos para "aprofundar a avaliação das plantas brasileiras".

VENILSON FERREIRA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2012 | 03h09

O ministro acredita que alguns empecilhos podem ser superados no encontro da próxima semana e resultar na retirada do embargo "de alguns Estados ou alguns frigoríficos". Segundo ele, a reunião será realizada em Buenos Aires porque o chefe do serviço sanitário russo, Sergey Dankvert, tinha visitas programadas para Argentina e Chile.

Mendes Ribeiro afirmou que as reuniões fazem parte de um processo e que a relação entre os dois países vem se fortalecendo. "A Rússia contesta algumas questões que gradativamente estão sendo vencidas a cada encontro", diz o ministro, que reforça o papel da pasta no encaminhamento da questão. "Ninguém pode dizer que o ministério pecou por omissão."

"Estou muito otimista com a reunião de segunda-feira na Argentina e diria que o embargo está chegando ao fim. O que eu posso dizer como ministro é que não deixei em nenhum momento que o ministério pecasse por omissão. Estamos na frente, conversando, demonstrando nossa capacidade. Estou percebendo que temos merecido crédito dos governos com os quais estamos conversando." Segundo o ministro, o governo russo argumentou que a relação entre os dois países passa por uma questão importante, que é a venda do trigo.

Ele disse que a ministra Yelena Skrynnik ponderou sobre a importância do mercado brasileiro para o trigo russo. Mendes Ribeiro pretende discutir o assunto na próxima reunião do Mercosul, prevista para 16 e 17 de abril, pois a questão afeta a Argentina, que é o principal fornecedor de trigo para o Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.