coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Embraer anuncia corte de 20% dos 21,3 mil funcionários

Redução de pessoal é decorrência da crise, diz fabricante de aviões; empresa depende do mercado externo

Beth Moreira, da Agência Estado,

19 de fevereiro de 2009 | 17h04

A Embraer informou nesta quinta-feira, 19, que promoverá um corte de cerca de 20% do seu efetivo, que soma hoje 21.362 empregados. As demissões ocorrerão, principalmente, na mão de obra operacional, administrativa e lideranças, incluindo a eliminação de um nível hierárquico de sua estrutura gerencial. A empresa garantiu que a maioria da mão de obra de engenharia se manterá engajada nos programas de desenvolvimento de novos produtos e tecnologias, que prosseguem inalterados.  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise A redução de pessoal, segundo a fabricante de aviões, é decorrência da crise sem precedentes que afeta a economia global, em particular o setor de transporte aéreo. "Tornou-se inevitável efetivar uma revisão da base de custos e do efetivo de pessoal, adequando-os à nova realidade de demanda por aeronaves comerciais e executivas", explica. A empresa destaca que apesar de sediada no Brasil, depende fundamentalmente do mercado externo e do desempenho da economia global - mais de 90% de suas receitas são provenientes de exportações, pouco se beneficiando, portanto, da resiliência que o mercado doméstico brasileiro vem demonstrando. Previsões A Embraer também anunciou nesta quinta uma segunda revisão das estimativas para 2009. Alegando os impactos da crise financeira internacional, a fabricante de aviões reduziu a projeção de entrega de aeronaves no ano para 242 unidades, ante previsão anterior de 270 aviões. Por conta da redução no volume, a receita também foi revista de US$ 6,3 bilhões para US$ 5,5 bilhões em 2009. Os planos de investimentos para o ano, por sua vez, foram reduzidos em US$ 100 milhões, para US$ 350 milhões. A previsão inicial da receita para 2009 era de US$ 7,1 bilhões, que foi revisada para US$ 6,3 bilhões no final do ano passado. Os investimentos estavam estimados inicialmente em US$ 600 milhões e foram alterados para US$ 450 milhões. No caso das entregas, a Embraer pretendia encerrar 2009 com 350 unidades, em novembro a projeção foi reduzida para 270 unidade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.