Assessoria de Imprensa Embraer
Assessoria de Imprensa Embraer

Embraer apresenta o maior avião produzido no Brasil

De acordo com o presidente da companhia, modelo é capaz de realizar viagens com custos 20% menores ao de aviões de porte similar; jato entrará em serviço no primeiro semestre de 2019

Wagner Gomes, Broadcast

07 de março de 2017 | 16h51

SÃO PAULO - A Embraer apresentou nesta terça-feira, 7, em São José dos Campos (SP), o E195-E2, a sua maior aeronave da segunda geração da família de e-jets de aviões comerciais. O voo inaugural está previsto para os próximos meses e o jato entrará em serviço no primeiro semestre de 2019.

"O E195-E2 tem potencial de mudar significativamente o perfil de frota das companhias aéreas em todo o mundo. Tendo custo por viagem 20% menor e custo por assento similar ao de aviões maiores, o E195-E2 torna-se o avião ideal tanto para crescimento de empresas regionais como complementação de frota de empresas de baixo custo e de linhas principais", diz, em nota, o presidente e CEO da Embraer Aviação Comercial, John Slattery.

O E195-E2 tem três fileiras a mais de assentos quando comparado ao E195 da atual geração, podendo ser configurado com 120 lugares em duas classes de serviço, ou até 146 em classe única. Segundo a companhia, a aeronave também teve aumento significativo de alcance, de mais de 800 quilômetros (450 milhas náuticas), o que possibilitará viagens de até 4.500 quilômetros (2.450 milhas náuticas) de distância.

A aeronave possui uma asa desenvolvida especialmente para o modelo, com o maior alongamento entre jatos de corredor único, "aumentando a eficiência de consumo de combustível", segundo comunicado da companhia. Além de uma especificação mais equilibrada, a Embraer informa que usou toda a experiência de mais 17 milhões de horas voadas nos e-jets atuais, com uma frota de mais 1.300 unidades, para chegar a um projeto de otimização para o E2.

"Por exemplo, sendo concebido com uma combinação inteligente de materiais, o E195-E2 consegue ter capacidade de transportar 10% mais passageiros que o concorrente direto e ainda assim ter o mesmo peso", diz a empresa.

Luís Carlos Affonso, vice-presidente de Operações da Embraer Aviação Comercial, explica, em nota, que foram introduzidas na plataforma de E-Jets todas as novas tecnologias que agregam valor aos clientes. Um exemplo, de acordo com ele, é a quarta geração de fly-by-wire que permitiu a redução de 20% da área da empenagem, minimizando o arrasto e o peso.

"O avião terá uma economia de até 24% de consumo e 20% nos custos de manutenção por assento quando comparado ao atual E195. Parte dessa economia será atingida pela nova tecnologia de motores, mas o grande diferencial competitivo do E195-E2 está na otimização da estrutura e dos seus vários sistemas", comenta.

Protótipo. A Embraer vai utilizar dois aviões na campanha de certificação do E195-E2. O primeiro protótipo será usado nos ensaios de aerodinâmica e desempenho, enquanto o segundo avião, que também deve realizar o voo inaugural até o fim deste ano, será empregado na validação de tarefas de manutenção e de interior.

Desde o lançamento, os E2 alcançaram 690 pedidos, dos quais 275 firmes, sendo 90 para o E195-E2, e de 415 opções e direitos de compra, tendo entre seus clientes companhias aéreas e empresas de leasing. Atualmente, a família de e-jets opera com cerca de 70 clientes em 50 países, sendo líder global no segmento até 130 assentos, com mais de 50% de participação de mercado, de acordo com a Embraer.

Com investimento de US$ 1,7 bilhão, o programa E2 foi lançado em junho de 2013, visando a manutenção da liderança da Embraer no segmento de aviões de 70 a 130 assentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.