Embraer deve anunciar bons negócios em feira do setor

Um dos mais importantes eventos da indústria aeronáutica mundial, o Farnborough International Airshow, será aberto na próxima segunda-feira no Reino Unido cercado de expectativas. A feira, que ocorre a cada dois anos, será um excelente termômetro para se averiguar a situação das principais fabricantes de aeronaves do mundo, cujas vendas declinaram desde o ano passado, principalmente após os ataques terroristas de 11 de setembro. Vários analistas acreditam que as previsões de que o setor iniciaria uma recuperação em 2003 poderão ser frustradas diante das enormes incertezas sobre a recuperação da economia mundial.Apesar do desaquecimento no setor, analistas acreditam que a Embraer, que terá um amplo stand no evento, poderá revelar negócios. Amanhã a noite, véspera da abertura oficial da feira, a Embraer irá realizar um jantar para imprensa em Londres, com a presença do seu presidente, Maurício Botelho. Na terça-feira, a diretoria da empresa concede entrevista coletiva durante o evento. A principal concorrente da Embraer no segmento da aviões regionais, a canadense Bombardier, também pode anunciar novos negócios. Além disso, a empresa deverá apresentar um novo modelo do jatinho Learjet. Outro tema relacionado ao Brasil que certamente circulará nos bastidores da feira será a concorrência para o fornecimento de 12 a 24 caças para a Força Aérea Brasileira (FAB), um negócio avaliado em US$ 700 milhões e que está sendo acirradamente disputado por quatro grupos: Embraer/Dassault com o Mirage 2000-5/Br; Avibrás/KnAAPO com o Sukhoi-35 Super Flanker; Saab/ Bae Dynamics/Varig com o Gripen JAS 39; e Lockheed Martin, com o F-16D Block 50/52.Depois da assinatura do acordo com a FAB, contratos adicionais que podem ser formalizados nos três primeiros anos poderão elevar essa cifra inicial para US$ 1 bilhão. Os planos do governo brasileiro são de aquisição de 120 aviões de combate até 2010.

Agencia Estado,

20 de julho de 2002 | 09h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.