Embraer discute ampliação de linhas de financiamento

O presidente da Embraer, Frederico Fleury Curado, afirmou hoje que está discutindo com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a ampliação de linhas de financiamento fornecidas pelo banco de fomento aos seus clientes. Por ora, ele trabalha com a expectativa de que, das 110 aeronaves comerciais a serem entregues este ano, cerca de 40 aviões, em torno de 35% do total, tenha incentivo do banco para os clientes.

MICHELLY CHAVES TEIXEIRA, ENVIADA ESPECIAL, Agencia Estado

24 de junho de 2009 | 21h57

"A persistir a escassez de crédito no mercado, o BNDES tem de manter uma participação no negócio. Isso não é sacrifício, é negócio para o banco", afirmou o executivo, que participou hoje da solenidade de entrega de aeronaves para a Trip Linhas Aéreas, em São José dos Campos, sede da fabricante de aviões.

Curado destacou que, no mercado externo, a participação de bancos de fomento é bem mais expressiva do que no Brasil. Cerca de 90% dos clientes da canadense Bombardier têm, conforme Curado, a ajuda de bancos de fomento. Na França, essa participação estaria em torno dos 50%, por exemplo.

Em 2007, a participação do BNDES na concessão de empréstimos a clientes da Embraer era zero porque havia abundância de crédito no mercado. "Hoje em dia a situação é diversa e bancos de fomentos dos países têm de aumentar sua contribuição", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
AVIAÇÃOEMBRAERBNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.