Embraer disputa fornecimento de sistemas para Exército dos EUA

A Embraer fará parte de um grupo que participará da concorrência para desenvolver a próxima geração de sistemas de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento do Exército dos Estados Unidos, conhecido como Aerial Common Sensor (ACS). A empresa brasileira foi escolhida, junto com a Harris Corporation, pela Lockheed Martin. O ACS é projetado para substituir os sistemas do Exército norte-americano Guardrail/Common Sensor e Airborne Reconnaissance Low, e foi concebido para combinar vários sensores de inteligência em um sistema sinérgico rapidamente deslocável, que pode ser configurado conforme os requisitos específicos dos combatentes nas operações. A Embraer fornecerá uma plataforma baseada nos jatos ERJ 145 e EMB 145, já em operação no mundo. Além das modificações exteriores para acomodar diversas antenas, a aeronave terá seu alcance e capacidade de carga aumentados. "O recente anúncio da Embraer relativo à produção de aeronaves em Jacksonville, Flórida, a qualificará integralmente como fornecedora do governo dos Estados Unidos para programas de defesa e segurança nacional", diz a nota. "É com muito orgulho que a Embraer traz sua experiência na produção de aeronaves de vigilância para contribuir com este fortíssimo grupo, e acreditamos estar oferecendo ao Exército norte-americano a melhor combinação de capacidade operacional e econômica para este programa vital", afirma no comunicado Romualdo M. de Barros, Vice-Presidente Executivo da Embraer para o Mercado de Defesa. O grupo liderado pela Lockheed atualmente conduz atividades de desenvolvimento de arquitetura. Ela foi uma das duas empresas fornecedoras selecionadas no ano passado para dar continuidade ao desenvolvimento do sistema ACS.A Harris liderará o desenvolvimento da parte de comunicações do Núcleo do Sistema de Informações, auxiliando a Lockheed na maturação da atual arquitetura de comunicações do ACS."A agregação da Harris e da Embraer fortalece ainda mais o excelente grupo de empresas que estamos reunindo para proporcionar um sistema incrivelmente mais capaz para nosso cliente", afirma em comunicado Wes Colburn, vice-presidente em exercício da Lockheed Martin ISR Systems.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.