Embraer disputa fornecimento de sistemas para Exército dos EUA

A Embraer fará parte de um grupo que participará da concorrência para desenvolver a próxima geração de sistemas de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento do Exército dos Estados Unidos, conhecido como Aerial Common Sensor (ACS). A empresa brasileira foi escolhida, junto com a Harris Corporation, pela Lockheed Martin. O ACS é projetado para substituir os sistemas do Exército norte-americano Guardrail/Common Sensor e Airborne Reconnaissance Low, e foi concebido para combinar vários sensores de inteligência em um sistema sinérgico rapidamente deslocável, que pode ser configurado conforme os requisitos específicos dos combatentes nas operações. A Embraer fornecerá uma plataforma baseada nos jatos ERJ 145 e EMB 145, já em operação no mundo. Além das modificações exteriores para acomodar diversas antenas, a aeronave terá seu alcance e capacidade de carga aumentados. "O recente anúncio da Embraer relativo à produção de aeronaves em Jacksonville, Flórida, a qualificará integralmente como fornecedora do governo dos Estados Unidos para programas de defesa e segurança nacional", diz a nota. "É com muito orgulho que a Embraer traz sua experiência na produção de aeronaves de vigilância para contribuir com este fortíssimo grupo, e acreditamos estar oferecendo ao Exército norte-americano a melhor combinação de capacidade operacional e econômica para este programa vital", afirma no comunicado Romualdo M. de Barros, Vice-Presidente Executivo da Embraer para o Mercado de Defesa. O grupo liderado pela Lockheed atualmente conduz atividades de desenvolvimento de arquitetura. Ela foi uma das duas empresas fornecedoras selecionadas no ano passado para dar continuidade ao desenvolvimento do sistema ACS. A Harris liderará o desenvolvimento da parte de comunicações do Núcleo do Sistema de Informações, auxiliando a Lockheed na maturação da atual arquitetura de comunicações do ACS. "A agregação da Harris e da Embraer fortalece ainda mais o excelente grupo de empresas que estamos reunindo para proporcionar um sistema incrivelmente mais capaz para nosso cliente", afirma em comunicado Wes Colburn, vice-presidente em exercício da Lockheed Martin ISR Systems.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.