Sergio Castro/Estadão - 24/10/2014
Sergio Castro/Estadão - 24/10/2014

Embraer espera definir negócio com Boeing no 1º semestre

Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente da companhia, reafirmou que ainda não existe estrutura concreta para esse eventual acordo

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2018 | 22h24

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - O presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva, espera ter uma definição sobre um eventual negócio com a Boeing ainda neste semestre. Em evento na sede da empresa, em São José dos Campos (SP), o executivo afirmou que, embora esse seja um acordo complexo, o mercado demanda uma resposta rápida e precisa ter claro se haverá ou não parceria. Desse modo, as negociações com a fabricante americana não deveriam se alongar por muito mais tempo, afirmou. “Mas não há uma data específica.”

Ainda de acordo com o executivo, a saída de Raul Julgmann da pasta da Defesa não afeta negativamente as negociações. “O grupo técnico e o governo estão bem focados em realmente achar uma solução, em analisar. Eu acho que não vamos perder em nada com a saída do ministro, que estava realmente liderando, mas não quer dizer que o novo entrante não possa liderar da mesma forma”. Silva ainda não conversou com o novo ministro, e disse não saber sua posição em relação à possível combinação com a Boeing.

O presidente da Embraer reafirmou que ainda não existe estrutura definida para esse eventual acordo, e salientou que não há motivo para preocupação com demissões e enxugamento de operações no Brasil. “O projeto é justamente o contrário, para tornar a Embraer maior”, destaca Silva, acrescentando que a parceria resultaria na “maior empresa aeroespacial do mundo”.

++ Intervenção no Rio pode atrasar acordo de Boeing e Embraer

Barreira. Segundo apurou o Broadcast/ Estadão, o principal desafio para a conclusão do negócio é encontrar alternativa que atenda às preocupações do governo sobre a área de defesa e que possa garantir o poder decisório da União em assuntos de segurança nacional.

As ações da companhia encerraram em baixa de 4,73%, a R$ 21,76. Os investidores repercutiram a informação veiculada na imprensa de que o novo ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, é um dos principais adversários da negociação da companhia com a Boeing. /COLABORARAM WAGNER GOMES E MÁRCIO RODRIGUES

Mais conteúdo sobre:
BoeingEmbraer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.