coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Embraer fecha acordo de cooperação portuguesa OGMA

Durante a visita do primeiro-ministro de Portugal José Sócrates à Embraer, no final da manhã desta quinta-feira, 10, em São José dos Campos, Vale do Paraíba, a fabricante brasileira e o governo português, assinaram um acordo de cooperação industrial no setor aeronáutico. O protocolo foi feito por meio da Agência Portuguesa para o Investimento (API).A intenção é ampliar e fortalecer a atuação da ex-estatal portuguesa Ogma no mercado mundial na fabricação de peças e manutenção de aviões. Há dois anos a Ogma teve 65% de seu capital adquirido pela Embraer por meio do consórcio EADS (Eurpoean Aeronautic Defense and Space Company) que pagou cerca de 11 milhões de euros. Atualmente a Ogma fabrica componentes de alumínio e materiais compostos para empresas como Boeing, Airbus, Dassault e Lokheed Martin, emprega 1.700 pessoas e no ano passado suas vendas totalizaram 118 milhões de euros. Com a assinatura do protocolo a Embraer vai realizar estudos para projetar a fábrica no mercado mundial. "Queremos o melhor do Brasil em Portugal, por isso queremos a Embraer atuando lá e vamos construir em conjunto novas oportunidades para os dois países", disse o primeiro-ministro. A cooperação foi chamada por Sócrates de "intenção firme, como se diz no mercado da aviação civil", e considerada uma estratégia para novos mercados. A expansão das competências aeronáuticas em Portugal, tendo a Ogma como principal empresa, é parte importante do programa de desenvolvimento industrial do Estado português. "Neste cenário a Embraer está investindo na Ogma para criar as condições adequadas para fortalecer a capacitação da indústria aeronáutica portuguesa, acelerar seu desenvolvimento tecnológico e formar mão de obra qualificada", considerou o presidente da Embraer, Maurício Botelho. Texto atualizado às 18h15

Agencia Estado,

10 de agosto de 2006 | 14h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.