Embraer inicia produção do Super Tucano

A Embraer comunicou o início da produção do avião Super Tucano, depois da assinatura de contrato com a Força Aérea Brasileira (FAB), em 8 de agosto último. O contrato envolve 76 pedidos firmes do turboélice de treinamento/ataque leve, com mais 23 opções. Além do negócio com o governo brasileiro, os executivos da companhia disseram em comunicado que "têm razões para acreditar que o Super Tucano será um sucesso nos mercados mundiais". No aviso, o diretor presidente da Embraer, Maurício Botelho, disse que o lançamento o primeiro Tucano, há 20 anos, revolucionou os padrões do treinamento de pilotos militares, culminando com sua operação por 15 forças aéreas. "Hoje, a Embraer está pronta para repetir aquele feito com o Super Tucano, tanto em versão monoposto quanto biposto", comentou. No Brasil, o avião irá operar em missões de treinamento de alerta básico e avançado, inclusive familiarização com armamentos. O avião será escalado para voar (de dia ou de noite) em missões de vigilância de fronteira, perseguição e interceptação de alvos aéreos e/ou atividades ilegais. Segundo a Embraer, a aeronave é capaz de receber e transmitir dados por meio de avançados sistemas "data-link" a bordo. As imagens de sensor, inclusive dados de alvos, poderão ser recebidas ou comunicadas às estações de comando e controle, no solo ou no ar, ou a outros aviões de combate, afirmou a empresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.