Divulgação
Divulgação

Embraer prevê mais de 2 mil entregas de jatos para a América do Norte até 2035

Modelos tem de 70 a 130 assentos e serão entregues em até 20 anos, projeta a empresa

Luciana Collet, O Estado de S. Paulo

12 Maio 2015 | 15h59

SÃO PAULO - A Embraer divulgou nesta terça-feira, 12, projeções para o mercado norte-americano nos próximos 20 anos nas quais prevê 2.060 novas entregas de jatos no segmento de 70 a 130 assentos. De acordo com a companhia, o volume representa quase 35% do total da demanda mundial por aeronaves neste segmento específico, com valor estimado em US$ 96 bilhões, a preços atuais.

Pelas previsões da empresa, cerca de 47% das novas entregas da região serão destinadas a apoiar o crescimento do mercado, enquanto os 53% restantes serão para substituir as aeronaves antigas que serão aposentadas até 2034.

Parte do crescimento é esperado a partir da reestruturação das operações de alimentação de tráfego em grandes aeroportos (denominadas hub and spoke), colocando jatos regionais de maior capacidade nos mercados tradicionalmente ocupados por jatos de 50 assentos.

"Apesar de taxas de crescimento mais elevadas em outras partes do mundo, nossas projeções mostram que o mercado dos Estados Unidos continua dominando o segmento em virtude do grande volume de jatos de 70 a 130 lugares existentes", disse o presidente da Embraer Aviação Comercial, Paulo Cesar Silva, em nota.

A Embraer destacou que o E175, que atua no segmento de 70 a 120 assentos, se tornou um forte produto na sua categoria, com 80% das encomendas na América do Norte desde 2013. No total, a família dos chamados E-Jets já registrou mais de 1.560 encomendas e mais de 1.100 entregas até o momento, informou a companhia. 

Desde que entraram em serviço, em 2004, os E-Jets atingiram uma participação de mercado de cerca de 50% das encomendas e 60% das entregas do mercado global no segmento de 70 a 130 assentos. Na América do Norte, a Embraer afirma ter uma participação de mercado superior a 50% entre as aeronaves no segmento, com mais de 400 E-Jets entregues. 

Mais conteúdo sobre:
Embraeraviação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.