Embraer tentará manter demissões

Liminar suspendeu o corte de 4,2 mil empregados

Redação do estadao.com.br,

28 de fevereiro de 2009 | 12h10

A Embraer informou que vai recorrer da decisão do Tribunal Regional do Trabalho de Campinas (15ª região), que determinou na noite de quinta-feira a suspensão temporária das 4.270 demissões feitas pela empresa. A decisão causou impacto no Brasil e no exterior e refletiu no valor das ações da fabricante de aeronaves. As ADRs da Embraer na Bolsa de Nova York cederam 4,76%. Na Bovespa, as ações ordinárias fecharam em queda de 2,08%. Os especialistas em Direito acham pouco provável que a empresa tenha sucesso na cassação da liminar. Isso porque está marcada para quinta-feira uma audiência de conciliação entre a companhia e o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP). A liminar vale até esta data apenas. A entidade pede na Justiça que as demissões sejam suspensas e alega que a empresa não a comunicou sobre a decisão com antecedência. O desembargador Luís Carlos Cândido Martins Sotero da Silva informou no despacho que houve um desrespeito aos trabalhadores.Ontem os demitidos conseguiram o apoio do presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, que se comprometeu a conversar com a direção da empresa.A liminar foi festejada pelos trabalhadores em São José dos Campos, onde houve manifestações na porta da Embraer. "Esse é um indicativo de que estamos em melhores condições de negociação", disse o secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Luiz Carlos Prates. Prates diz que embora os funcionários não tenham efetivamente voltado ao serviço, o período de suspensão das demissões vai contar como tempo trabalhado.Para o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, a Embraer vai ter de tomar outra postura com os sindicatos a partir da decisão judicial. "Se a Embraer continuar com essa intransigência, vai perder na Justiça", afirmou. Segundo ele, os sindicatos estão dispostos a negociar alternativas às demissões na audiência de conciliação. Entre as propostas citadas por Paulinho, estão o estabelecimento um plano de demissão voluntária, a concessão de licença remunerada e a redução de jornada. Caso as partes não cheguem a um acordo, o dissídio coletivo será julgado pelo TRT.Aos demitidos resta torcer para que a retomada da negociação traga o retorno efetivo ao trabalho. "Temos que nos apegar a esse fio de esperança", afirmou o metalúrgico despedido José Cláudio Nascimento, de 29 anos. Ele diz que os colegas de trabalho demitidos em outubro do ano passado ainda não encontraram emprego.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.