"be water"

Coluna Leandro Miranda: como se moldar à nova economia após a covid-19?

Embraer vai recorrer de decisão judicial sobre demissões

A Embraer informou hoje que recorrerá da decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Campinas que prorrogou até o dia 13 de março os contratos de trabalho dos cerca de 4 mil funcionários da companhia demitidos em 19 de fevereiro. Em nota, a empresa afirma que também vai contestar a declaração que caracterizou as demissões como abusivas, uma vez que entende que conduziu suas ações rigorosamente de acordo com o que estabelece a legislação brasileira.

AE, Agencia Estado

30 de março de 2009 | 18h15

A empresa explica que aguardava a publicação oficial da súmula do julgamento do processo do dissídio coletivo ocorrido no dia 18 de março de 2009, que ocorreu hoje, para analisá-la e definir seu posicionamento.

A fabricante ressalta ainda que, a despeito do recurso a ser impetrado, garantirá aos ex-empregados cujo desligamento foi objeto desse processo de dissídio coletivo assistência médica, extensiva aos respectivos dependentes, sem qualquer custo, até março de 2010 e pagamento, programado para o dia 2 de abril de 2009, de indenização adicional às verbas rescisórias já processadas e pagas, de um valor equivalente a dois salários, respeitado o limite individual de R$ 7 mil para cada ex-empregado.

A Embraer informa também que todos os empregados que deixaram a empresa em 2009 receberão a parcela devida do pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) referente ao segundo semestre de 2008, juntamente com os empregados ativos, o que está previsto para o final do mês de abril.

Tudo o que sabemos sobre:
demissõesEmbraer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.