Embraer vende mais 10 jatos e não revela comprador

A Embraer anunciou, na Feira Aeronáutica de Paris, a venda de 10 jatos modelo 190, em um negócio estimado em US$ 300 milhões. Além das 10 compras firmes, a compradora também reservou, em contrato, mais 20 opções de compra do 190. O presidente da Embraer, Mauricio Botelho, disse que não pode revelar, por cláusula de sigilo, o nome da companhia aérea compradora. O anuncio causou surpresa, pois o presidente da Embraer no domingo, havia informado a jornalistas que a empresa não anunciaria novos contratos durante a mostra aeronáutica. Segundo Botelho, trata-se de uma empresa que oferece um excelente potencial de mercado para a Embraer."Analistas do setor acreditam que a companhia aérea compradora, pode ser entre outras a sueca SAS, a britânica British Airways, a alemã Lufthansa, ou ainda a australiana Qantas. O presidente da Embraer não quis comentar a forma de financiamento desta venda. Com o contrato anunciado hoje, a Embraer passa a ter uma carteira de 244 encomendas firmes e 309 opções de compra. Botelho informou que a entrega do primeiro avião está previsto para o 3º trimestre de 2005, se estendendo até 2007, com a entrega completa do lote. Caso as opções de compra sejam confirmadas, o negócio somará cerca de US$ 900 milhões. O presidente da Embraer salientou que as últimas semanas foram marcadas por boas e algumas más notícias. Em relação às notícias positivas, ele destacou a venda de 100 jatos 190 para a americana JetBlue, anunciada na semana passada; e o contrato de hoje. O principal desdobramento negativo foi o adiamento da concessão da licença para o modelo 170. Maurício Botelho foi questionado pelos jornalistas sobre as fatias de mercado hoje controladas pela sua companhia e pela canadense Bombardier. "Acredito que ambas as companhias estão hoje em um estágio de equílibrio, com um mesmo nível de participação", afirmou. O executivo salientou entretanto que a Embraer está lançando uma família completamente nova de aeronaves, enquanto a Bombardier preferiu adaptar sua linha de produtos. "No primeiro momento a Bombardier pode até ter alcançado alguma vantagem, mas agora estamos melhores posicionados com os nossos produtos para atender a demanda dos consumidores", afirmou Botelho. Ele disse acreditar que a Embraer adotou a decisão correta. "O nosso programa representa a melhor opção para os nossos clientes". Em relação ao atraso de entrega do modelo 170 para a Alitália, que estava previsto para ser iniciada em agosto, Botelho disse que a Embraer está mantendo negociações com a companhia para estabelecer um novo cronograma. "Estava previsto para este ano a entrega de seis jatos 170 para a Alitália, de um total de 12. Essas entregas poderão ser transferidas para 2004", disse o executivo, acrescentando que "a entrega de seis jatos 170 para US Airways também prevista para este ano, não foi alterada".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.