Roosevelt Cassio/Reuters
Roosevelt Cassio/Reuters

Embraer volta a ter lucro com retomada das viagens

Fabricante brasileira teve resultado positivo de R$ 212,8 milhões no segundo trimestre, o primeiro  lucro trimestral desde 2018

Juliana Estigarríbia, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2021 | 08h42

A Embraer reportou lucro líquido ajustado de R$ 212,8 milhões no segundo trimestre do ano, revertendo prejuízo líquido de R$ 1 bilhão no mesmo período do ano passado, informou a fabricante brasileira nesta sexta-feira, 13. Trata-se do primeiro lucro líquido ajustado trimestral desde o primeiro trimestre de 2018. 

Diante da maior crise da história do setor aéreo, sob impacto da pandemia, a aviação comercial da Embraer vem mostrando recuperação contínua. A fabricante registrou receita líquida de R$ 2 bilhões no segmento no segundo trimestre, ante R$ 563,9 milhões em igual período de 2020 e R$ 1,5 bilhão no intervalo imediatamente anterior.

De abril a junho, a Embraer entregou 14 aeronaves comerciais e 20 executivas (12 jatos leves e oito grandes), totalizando 23 jatos comerciais e 33 executivos (22 jatos leves e 11 grandes) entregues no primeiro semestre. A carteira de pedidos firmes (backlog) encerrou o trimestre em US$ 15,9 bilhões, ante US$ 15,4 bilhões um ano antes.

A receita líquida totalizou R$ 5,9 bilhões de abril a junho, avanço de 107% sobre igual intervalo do ano passado. No período, a companhia gerou fluxo de caixa livre de R$ 215,7 milhões.

“Esse aumento substancial foi impulsionado por um crescimento significativo em todos os segmentos de negócio da companhia”, destacou a empresa no balanço. As receitas da aviação comercial subiram 261% sobre o segundo trimestre de 2020; as de aviação, 74%; as de defesa e segurança, 97%; e as de serviços e suporte, 52%.

“A Embraer espera que no segundo semestre ocorra um maior número de entregas em relação ao primeiro, especialmente impulsionadas pelas entregas de jatos executivos, que sazonalmente tendem a ser maiores no quarto trimestre do ano”, informou a fabricante em balanço.

A companhia projeta para o ano a entrega de uma faixa entre 45 e 50 aviões comerciais e entre 90 e 95 jatos executivos.

Cenário ainda de incerteza

A Embraer afirma que continua operando em um ambiente de maior incerteza do que o normal devido ao impacto da pandemia de covid-19 em vários dos seus mercados de atuação. Segundo a empresa, a irregularidade nas taxas de acesso, distribuição e aplicação da vacina, combinada com novas cepas do vírus, fazem com que os níveis de risco e incerteza permaneçam elevados no momento.

Por outro lado, acrescenta, o progresso da vacinação em muitas áreas do mundo levou a uma menor incidência de casos com uma diminuição também dos casos graves, melhorando a confiança das pessoas em viajar, particularmente em viagens de lazer com menores deslocamentos.

"Além disso, durante a pandemia, um número crescente de indivíduos de alto poder aquisitivo optou pelo uso da aviação executiva como alternativa de deslocamento, devido à redução da capacidade ofertada pelas companhias aéreas aliado ao desejo por um meio de transporte com menos exposição a grandes multidões e com maior controle de viajantes na mesma aeronave", comenta a empresa no balanço. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.