coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Embratel aponta fraudes com o serviço Siga-me

A Embratel lançou um alerta sobre um novo tipo de fraude que utiliza o serviço Siga-me, oferecido pelas operadoras locais para quem quer redirecionar as chamadas do seu número de telefone para algum outro número. De acordo com a Embratel, os fraudadores ligam para o usuário dizendo que ele foi sorteado e receberá algum produto e descontos.Para receber as supostas premiações, a vítima deve digitar uma série de números no teclado de seu telefone. Ao discar essas números, o proprietário do telefone programa o serviço Siga-me para celulares de diversas regiões, na maioria dos casos, Petrópolis (RJ) e Vitória (ES). Com isso, ele é cobrado por diversas chamadas interurbanas desviadas por seu telefone para outro número. Muitas vezes, a vítima só vai perceber que programou seu telefone para que as chamadas fossem recebidas em outro número quando chega a fatura cobrando os interurbanos das ligações feitas para os celulares pelos fraudadores. Nos casos citados pela operadora, esses valores variaram de pouco mais de R$ 100 a até R$ 6 mil. A supervisora de Controle de Fraude da Embratel, Sandra Monteiro, disse que a empresa recebeu cerca de 60 reclamações sobre esse problema, mas o número de casos pode ser ainda maior.Orientação da EmbratelA empresa decidiu alertar a população para evitar reprogramar seus telefones para recebimento de chamadas em outro número se receberem ligações de pessoas que se identificam como funcionários de empresas telefônicas. Os fraudadores costumam pedir que o cliente digite uma série de números em seu aparelho a pretexto de ser uma condição para participação em algum tipo de concurso. De acordo com a gerente da Diretoria Jurídica da Embratel, Silvana Guerino, a empresa entende que deve receber pela ligação interurbana feita e que quem deve pagar a conta ?é quem ofereceu o serviço do Siga-me, que é a operadora local, que tem que dar um serviço com segurança?.Ela afirmou, também, que a empresa não sabe qual é o prejuízo causado por essa fraude e nem mesmo consolidou as contas questionadas pela cerca de 60 reclamações que recebeu, mas considera que o golpe ?tem um potencial muito grande de prejuízo que queremos evitar alertando a população?.

Agencia Estado,

19 de junho de 2002 | 15h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.