Embratel e Intelig contra empresas piratas

As concorrentes Embratel e Intelig se uniram para tentar acabar com empresas irregulares que fazem ligações internacionais. Essas companhias, chamadas de "piratas" pela Embratel e Intelig, tomaram, segundo as operadoras, quase 40% do mercado de telefonia internacional. "A Embratel comprou uma concessão e agora está defendendo essa concessão. Seria a mesma coisa que ter comprado uma casa e depois descobrir que parte dessa casa já está ocupada ilegalmente por outros", disse o diretor internacional da Embratel, Geoffrey Biddulth, durante entrevista coletiva. "Estamos entrando com ações na Justiça e tentando sensibilizar a Anatel e a sociedade para este problema. A Anatel, inclusive, já declarou reiteradas vezes que as operações dessas empresas são ilegais", afirmou em outra entrevista coletiva o diretor de Relações Internacionais da Intelig, Marcelo Pereira. As duas empresas afirmam que já entraram com ações na Justiça contra as operadoras ilegais, mas não divulgam dados sobre isso, alegando tratar-se de processos que correm em sigilo de Justiça. "A Anatel já fechou algumas dessas empresas, mas muitas acabam voltando a operar com os mesmos equipamentos e os mesmos métodos, mas com outro nome", disse Geoffrey Bidduth.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.