Embratel na mira dos Procons

A Embratel, operadora de longa distância controlada pela americana WorldComm MCI, corre o risco de se tornar a inimiga número um das entidades de defesa do consumidor. Os Procons de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais alegam que a operadora não abre canal para negociar soluções para as queixas dos consumidores, principalmente sobre a cobrança indevida de ligações internacionais.Além de chamadas locais não identificadas pelos clientes, constam ainda as ligações a serviços de telessexo do exterior. As três entidades estudam entrar com ações coletivas contra a empresa. "A operadora não aceita acordo e o consumidor acaba indo para o juizado de pequenas causas", diz a promotora Nadja Kelly Miller, secretária executiva do Procon de Minas Gerais. O Estado tem mais de mil reclamações registradas contra a Embratel.Com a falta de um interlocutor da operadora, os atendentes do Procon paulista também têm encaminhado os clientes descontentes para o juizado de pequenas causas da capital. "Gostaríamos que eles criassem uma ponte de acesso ao consumidor e aos órgãos de defesa", diz a assessora de diretoria do Procon de São Paulo, Elisete Miyazagui.Embratel criou 0800 para atender ProconsDe acordo com a responsável pela área de consumidores da diretoria jurídica da Embratel, Silvana Guerino, a empresa já criou uma linha 0800 para atender prontamente os Procons. Além disso, a operadora iniciou este mês um roteiro de visita de seus diretores aos diversos Procons do País e promoverá um evento para reunir os Procons. Uma das missões é explicar o caminho feito pelas ligações que são completadas pela Embratel. Silvana diz que uma possibilidade desses erros é a entrega da chamada na rede da Embratel ter sido feita incorretamente pelas operadoras locais que atendem o consumidor reclamante. Uma das empresas citadas é a Telemar, que atende os 16 estados da costa brasileira, incluindo o Rio, onde a operadora tem mais de 800 queixas registradas desde o inicio do ano no Procon local, dos quais 75% relativas a cobrança indevida. "E a Telemar não abre nenhum tipo de negociação conosco para discutir o problema", diz Silvana.Para o diretor de clientes da Telemar-Rio, João de Deus, é a empresa que emite a conta a responsável pelo relacionamento com o consumidor. A promotora Nadja Miller concorda. "O cliente enxerga o anúncio do número 21", diz ela. Silvana, porém, alega que a empresa apresenta as contas conferidas dos clientes queixosos mas os Procons não aceitam a justificativa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.