Embratur quer substituir turistas argentinos por europeus

Apesar de 2002 ser considerado um ano mau para o turismo internacional, a Embratur quer aumentar em 300.000 o número de turistas europeus no Brasil. "Pretendemos compensar a perda com os argentinos captando mais 300.000 europeus", afirmou Caio Luiz de Carvalho, presidente da Embratur.Segundo Carvalho, a vantagem dos turistas europeus sobre os argentinos é que têm maior gasto por dia de permanência. Dados do Estudo de Demanda Turística Internacional para o ano 2000 apontam que o gasto médio diário dos argentinos é de US$ 69,44 dólares. O português gasta US$ 79,01 por dia, em média, o alemão, US$ 85,73, o espanhol, US$ 94,19 e o inglês, US$ 106,71.Carvalho está em Portugal para a abertura da Bolsa de Turismo de Lisboa, a principal feira do setor em Portugal, em que os portugueses escolhem os destinos de férias para a Semana Santa e os meses de julho, agosto e setembro. No ano passado, o número de turistas portugueses no Brasil atingiu 147.000. "Este ano, queremos crescer 20% em Portugal, para superar os 170.000".O presidente da Embratur explica os motivos por que acredita que vai aumentar o número de turistas portugueses, apesar da crise mundial: "Em primeiro lugar, é o destino a menor distância do país. Depois, há o investimento dos portugueses na hotelaria e quem investe dinheiro próprio procura atrair turistas para garantir a ocupação. Só o grupo Pestana investiu mais de US$ 100 milhões no Brasil e os investimentos portugueses em hotelaria em 2002 devem chegar a US$ 200 milhões".A Bolsa de Turismo de Lisboa é a primeira feira européia do setor e se segue à Destinations na Inglaterra, à Fitur de Madri e à Bolsa Internacional de Turismo na Itália. Além da participação nas feiras, a Embratur vai ter sua primeira campanha publicitária no exterior. "No total serão investidos R$ 34 milhões. Haverá publicidade na CNN, na Eurosport, na BBC, em revistas especializadas e nos catálogos das cinco principais operadoras de cada mercado".Além da publicidade, a Embratur está montando uma rede de escritórios nas capitais da Europa para dar assistência aos operadores e ajudar a promover o turismo no Brasil. "Em Portugal será um gasto de US$ 150.000 por ano. Vamos contratar um profissional português com o conhecimento técnico da área. Não é empreguismo", diz Carvalho.A rede de escritórios de turismo surge após a experiência bem sucedida na Inglaterra. "Foi contratado um ex-diretor da British Airways apaixonado pelo Brasil. Antes tínhamos 19.000 turistas ingleses por ano e agora temos 140.000". A rede já tem cinco escritórios Inglaterra, Estados Unidos, Argentina, França e Itália e este ano será aberto o de Portugal e o da Espanha.No total, a Embratur vai investir R$ 62 milhões na promoção do turismo: R$ 34 milhões no marketing externo, R$ 18 milhões no marketing e promoção interno e R$ 10 milhões em feiras e nos escritórios.Segundo Carvalho, o turismo representa diretamente 3,8% do PIB brasileiro, com uma contribuição de US$ 4,2 bilhões, e indiretamente perto de 8%. A previsão para este ano é que o número de turistas estrangeiros alcance 5,3 milhões, número que deveria ser alcançado no ano passado por causa da crise argentina, o número de turistas do país vizinho baixou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.