finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Emergentes ainda continuarão longe do padrão dos países ricos, afirma OCDE

Mercados emergentes desaceleraram o crescimento e podem não conseguir atingir o nível de renda dos países desenvolvidos tão rapidamente

Álvaro Campos, Agência Estado

28 de julho de 2014 | 18h54

Após o forte crescimento das décadas anteriores, os mercados emergentes desaceleram nos últimos anos e não conseguirão atingir o nível de renda dos países desenvolvidos caso não promovam reformas profundas.

O diagnóstico é do estudo Perspectivas para o Desenvolvimento Global da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Enquanto países como China, Casaquistão e Panamá estão no caminho para atingir o nível médio de renda dos mais avançados, outras economias - como Brasil, Colômbia, Hungria, México e África do Sul - levariam muito mais tempo se o ritmo atual for mantido.

"Muitos dos países de classe média mais alta que, esperávamos, alcançariam as economias avançadas até meados deste século não vão conseguir isso com base no ritmo de crescimento atual", disse o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, na abertura do 6º Fórum Global de Desenvolvimento, realizado este mês na França. "Elevar a produtividade ajudaria a fortalecer o crescimento e diminuir a diferença nos padrões de vida desses países em relação às economias avançadas de maneiras mais rápida", complementou.

O estudo tem um capítulo inteiro dedicado ao países do Briics (Brasil, Rússia, Índia, Indonésia, China e África do Sul), no qual os autores afirmam que a produtividade da mão de obra e a produtividade total dos fatores - que reflete o quanto a economia produz com a mesma quantidade de capital e horas trabalhadas - ainda estão consideravelmente abaixo daquelas dos países desenvolvidos.

Todos os Briics têm níveis de produtividade de cerca de 10% ou menos dos níveis dos Estados Unidos. No Brasil, esse porcentual caiu de 12,1% em 2000 para 11,1% em 2008, sendo 7,4% no setor manufatureiro e 11,8% em serviços.

Brasil. Mesmo com o crescimento econômico robusto dos anos 2000, a produtividade brasileira praticamente se estagnou na última década e esse é um dos principais fatores que colaboram para que a atividade não consiga retomar a força no País, avalia o estudo.

O relatório não projeta quando o Brasil alcançaria a renda média dos países da OCDE, se mantido o ritmo de crescimento observado entre 2000 e 2012. Indica apenas que para que esta convergência aconteça até 2050 a velocidade da expansão da economia teria de ser muito maior.

Segundo a pesquisa da OCDE, o setor de serviços pode se tornar um motor de crescimento nos países emergentes. A organização diz, por exemplo, que desenvolver serviços de ponta para a classe média e serviços de maior valor agregado para empresas e famílias, como consultoria, serviços de engenharia e análise médica, ajudaria a criar empregos com maior retorno por trabalhador.

Para atingir esse nível de diversificação, será preciso equipar os trabalhadores com melhor educação e treinamento, além de encorajar a inovação, receita a instituição. O estudo recomenda que os países trabalhem internamente no desenvolvimento de produtos e processos que ofereçam uma vantagem competitiva, mas também importem as melhores ideias de outros países.

Tudo o que sabemos sobre:
ocdebriicsprodutividaderenda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.