carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Emergentes sentem 'puxão' dos EUA, diz Wall Street Journal

Economias emergentes podem sentir efeitos da crise no mercado americano.

BBC Brasil, BBC

17 de janeiro de 2008 | 08h05

Os mercados emergentes estão sentindo o "puxão" da economia americana, segundo reportagem publicada nesta quinta-feira pelo jornal americano Wall Street Journal."Para escapar das desgraças nos Estados Unidos, investidores partiram para a compra de ações nas economias que crescem rapidamente, como China, Índia e Brasil", afirma a reportagem. "Agora, parece que esses mercados podem não oferecer o refúgio esperado."Segundo o diário, o medo de uma recessão nos Estados Unidos vem crescendo globalmente e, na quarta-feira, causou forte queda nos mercados asiáticos, que já haviam sofrido perdas recentemente.O Wall Street Journal diz que índices de mercados da Coréia do Sul, da Tailândia, da Turquia e do Brasil caíram 8% ou mais desde o início deste ano, uma reversão da "performance estrelar" do ano passado e uma má notícia para os investidores que, de acordo com o jornal, viam esses mercados como um refúgio das crises de crédito e hipotecas nos Estados Unidos e na Europa.Segunda olhadaO jornal afirma ainda que, apesar de a economia dos países emergentes permanecer saudável, os mercados desses países estão cada vez mais ligados aos dos países desenvolvidos, e hoje estão muito mais conectados do que da última vez em que os Estados Unidos passaram por uma recessão."Então, com as perspectivas de uma recessão americana crescendo, economistas e investidores estão dando uma segunda olhada na idéia de que essas economias podem sobreviver sozinhas", diz a reportagem.O jornal cita o principal economista para a América Latina do banco de investimentos Morgan Stanley, Gray Newman, que, no mês passado, publicou um relatório afirmando que o crescimento da região não deve ser tão forte como o esperado pelo próprio banco."Investidores que estavam antecipando mais um ano de ganhos nos mercados emergentes agora vêem riscos", afirma o Wall Street Journal."Depois de prever crescimento de 25% nos mercados de ações da América Latina para 2008, o Citigroup publicou um relatório nesta semana afirmando que a região pode enfrentar perdas da mesma ordem, caso os Estados Unidos entrem em recessão."'Financial Times'Na Inglaterra, o Wall Street Journal também publica artigo afirmando que o mercado tem apostado nesta idéia de que os emergentes podem ser a esperança no caso da recessão americana.O Financial Times afirma que os Brics (Brasil, Rússia, Índia e China) de hoje são as empresas de tecnologia que atraíram a bolha de investimento no fim dos anos 90.Mas, no artigo publicado nesta quinta-feira, o jornal diz que as evidências desta desconexão entre os emergentes e a economia americana são mistas.O texto afirma que o crescimento dos mercados emergentes pode ser medido pela demanda de commodities, e que o índice internacional que mede esta demanda está 33% abaixo de seu pico, sugerindo uma queda.O jornal ainda afirma que, mesmo que as economias emergentes se mostrarem desconectadas da recessão americana, isso não significa a salvação completa, já que pode haver inflação e os governos podem limitar a ação de bancos centrais, inclusive cortes nas taxas de juros."Mas por enquanto, os Brics continuam festejando como se fosse 1999", conclui o artigo.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.