Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Emirados analisam medidas para moratória de Dubai

Providências podem ser tomadas para limitar o risco de um dano sistemático aos bancos

Efe,

29 de novembro de 2009 | 07h33

O Banco Central dos Emirados Árabes Unidos está analisando uma série de medidas para limitar o impacto da decisão do consórcio Dubai World de pedir uma moratória em seus vencimentos de dívida.

 

"O Banco Central está considerando medidas para limitar o risco de um dano sistemático no sistema bancário", disse ao jornal "The National" um assessor do Governo dos Emirados não identificado.

 

Segundo a edição on-line do jornal, neste domingo, 29, as autoridades dos Emirados temem que os mercados locais sofram graves perdas quando abrirem amanhã, após um longo período de feriado que começou na quinta-feira passada.

 

A Dubai World, um consórcio estatal do setor imobiliário, financeiro e portuário, anunciou na quarta-feira que pediria a seus credores o adiamento até 30 de maio dos vencimentos de sua dívida.

 

Até 14 de dezembro, a empresa tinha que abonar vencimentos de títulos no valor de quase US$ 4 bilhões. O passivo consolidado do consórcio, um dos três maiores dos Emirados Árabes Unidos, é de cerca de US$ 60 bilhões.

 

O "National" afirmou que, a fim de preparar medida para fazer frente a este caso, representantes do Governo de Dubai se reuniram no sábado, 28, em Abu Dhabi, a capital dos Emirados, com altos funcionários do Banco Central.

 

A autoridade monetária, segundo o jornal, preocupa-se com o montante das provisões que os bancos locais poderão reservar devido aos empréstimos feitos pela Dubai World e com a baixa na qualificação das entidades financeiras árabes por causa deste anúncio.

Tudo o que sabemos sobre:
Dubaimoratória

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.