portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Emissão de cheques sem fundo sobe quase 20% no 1º bi

O Acre foi o Estado que apresentou a maior relação de cheques sem fundo para cada mil compensados

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

19 de março de 2009 | 13h57

O volume de cheques sem fundo no Brasil aumentou 19,7% no primeiro bimestre de 2009, na comparação com o mesmo período de 2008. De acordo com o indicador Serasa Experian de cheques sem fundo, divulgado nesta quinta-feira, 19, foram devolvidos 23,1 cheques para cada mil compensados. Em janeiro e fevereiro de 2008, essa relação foi de 19,3.

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

O indicador da Serasa mostrou ainda que, nos dois primeiros meses de 2009, houve um total de 4,60 milhões de cheques devolvidos e 199,37 milhões de compensados. Em 2008, no mesmo período em análise, foram devolvidos 4,67 milhões de cheques e compensados 242,35 milhões

 

O Acre foi o Estado que apresentou a maior relação de cheques sem fundo para cada mil compensados no primeiro bimestre deste ano, de 102,4. Em segundo lugar, ficou o Amapá, com 89,6, seguido por Roraima, com 89,3. Na outra ponta, figurou o Estado de São Paulo, que registrou a menor taxa de inadimplência: 17,8. De modo geral, a inadimplência com cheques foi maior na região Norte, com 53,7 cheques devolvidos para cada mil compensados. Em seguida, apareceram as regiões Nordeste (37,6), Centro-Oeste (31,3), Sul (22,3) e Sudeste (19).

 

Somente em fevereiro de 2009, 23,2 cheques foram devolvidos para cada mil compensados no País, ante 19,5 em fevereiro de 2008, o que representa um aumento de 19%. Na comparação entre fevereiro e janeiro, esta relação cresceu 1,3%. No primeiro mês deste ano, foram devolvidos 22,9 cheques para cada mil compensados.

 

Gastos maiores

 

A Serasa Experian atribuiu o aumento da inadimplência com cheques ao maior endividamento de parte da população. A empresa também citou os gastos sazonais de início de ano, como o IPTU, o IPVA e as despesas escolares, e a redução do número de empregos formais no último trimestre de 2008.

 

"O desemprego é fator determinante para a inadimplência", informam os técnicos da empresa, ressaltando que mesmo com o avanço registrado no início do mês, os cheques ainda apresentam uma das menores taxas de inadimplência do mercado.

Tudo o que sabemos sobre:
InadimplênciaCheque sem fundoSerasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.