Emissão de R$ 2 bi em ações da Petrobras não sai neste ano

O presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, disse à Comissão Mista de Orçamento, no Congresso, que a emissão de ações pela empresa, no valor de até US$ 2 bilhões, já autorizada pelo Conselho de Administração, não ocorrerá neste ano. Segundo ele, não há definição de data para a operação. Os recursos representam 6% dos US$ 34,3 bilhões que a empresa vai investir entre 2003 e 2007. A maior parte desses recursos virá de geração própria (US$ 19,7 bilhões), seguida de financiamentos convencionais (US$ 9,3 bilhões) e de project finance (US$ 3,3 bilhões). Dutra explicou que desse total US$ 29,2 bilhões serão investidos no Brasil, com exigência de 65% de índice de nacionalização, e os US$ 5,1 bilhões restantes serão investidos em operações internacionais. Esclarecimentos sobre custosEle esclareceu aos parlamentares que a inclusão do índice de nacionalização nas plataformas P-51 e P-52 não aumentaram os custos para a Petrobras. A elevação, segundo Dutra, é decorrência de mudanças tributárias feitas pelo governo do Rio de Janeiro, que estariam encarecendo os projetos em cerca de R$ 160 milhões. Dutra disse que a nacionalização não envolve questão ideológica e que é positiva do ponto de vista empresarial, pois interessa à empresa o aumento do número de fornecedores nacionais. Segundo ele, a nacionalização não vai se sobrepor às exigências de preço e qualidade da Petrobras, que são "princípios basilares" da companhia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.