Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Imagem Luiz Carlos Trabuco Cappi
Colunista
Luiz Carlos Trabuco Cappi
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Empatia, solidariedade e generosidade

Os preceitos do ESG estão em franca disseminação junto aos investidores globais e guardam relação expressa com princípios cuja raiz mais profunda é a ética.

Luiz Carlos Trabuco Cappi, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2020 | 05h00

Desconheço tema tão fascinante, multidisciplinar e atual para a vida de empresas como este que o universo capitalista moderno, de maneira sábia, resume em apenas três letras: ESG. São as letras iniciais das palavras da língua inglesa para meio ambiente (environmental), social (social) e governança (governance). Representam globalmente o desafio mais avançado para corporações atentas com o seu futuro e o da humanidade.

Na minha opinião, essas três palavras evocam três comportamentos: empatia, solidariedade e generosidade.

Em razão da ameaça à estabilidade do clima, as condições de desigualdade das populações vulneráveis e o anseio da sociedade por um equilíbrio mais justo no relacionamento entre pessoas, empresas e acionistas, o alinhamento às diretrizes ESG pelos donos do capital não tem meia-volta. Ou a empresa adere ou arrisca sua viabilidade econômica em curto espaço de tempo.

Os preceitos do ESG estão em franca disseminação junto aos investidores globais e guardam relação expressa com princípios cuja raiz mais profunda é a ética. O lucro pelo lucro saiu de moda. 

ESG abarca muitos ganhos civilizatórios do século 20 e agrega preocupações novas e urgentes. 

O conceito PPP – Pessoas, Produção e Planeta –, que resumiu as Metas do Milênio, lançadas em 2000 pela ONU, foi o embrião do ESG. Desde 2017, a União Europeia requer das empresas declarações sobre ações de proteção ambiental, responsabilidade social, interação com colaboradores, respeito aos direitos humanos e combate à corrupção. A Bolsa de Valores de Nova York recolheu, em 2018, um conjunto de informações de nada menos que 85% das companhias listadas no índice S&P 500. Aqueles dados são os antecedentes do que relatamos hoje como princípios ESG. 

Participante das últimas dez edições do Fórum Econômico Mundial, em Davos, constato ano a ano a crescente atenção dedicada pelos CEOs das maiores companhias privadas do mundo a esse formidável conjunto de conceitos. Atento à opinião pública mundial, Davos foi o primeiro grupo de larga influência a perceber que a sensibilidade aos reclamos por sustentabilidade seria o novo norte dos negócios.

Hoje, a Geração Z está chegando ao mundo das finanças, dos negócios e dos investimentos. Jovens com 25 anos influenciam cada vez mais o mundo sobre onde e como investir, quais alimentos e de que empresas devemos consumir e quais as opções menos agressivas ao meio ambiente e à ética para a compra de vestuário e uso de serviços. É um novo direcionamento, cuja consequência é a mudança das métricas decisórias. Os melhores resultados estão hoje correlacionados às boas práticas corporativas. 

No Brasil, o compromisso com o ESG exige modelos desafiadores. Somos o maior produtor e vendedor de alimentos do mundo, um dos grandes exportadores de minério, estamos presentes de modo relevante no mercado de óleo e gás, temos uma frota de milhões de veículos e produzimos muito lixo.

E, acima de tudo, temos milhões de hectares de florestas a proteger.

É importante que o Brasil reitere apoio e adesão ao Acordo de Paris, cujos termos representam o compromisso com o desmatamento até 2030. Os problemas estão escancarados. Há uma série de crimes cometidos entre queimadas e desmatamentos. Foi muito bem-vindo, portanto, o recém-organizado Conselho Nacional da Amazônia, formado por governo federal e Estados da região, com o apoio de bancos, empresas e entidades de todo o País. O objetivo é encontrar soluções estruturantes, como o incentivo à bioeconomia e a regularização fundiária, para proporcionar acesso a crédito.

Dados da Embrapa mostram que cerca de 60% do território nacional são de mata nativa. Segundo entidades do setor, cerca de 70% da energia produzida no Brasil vem de fontes renováveis, contra a média mundial de 23%.

Olhado pelo estoque, o Brasil segue sendo verde. Olhado por nossas intenções e políticas, é preciso mostrar ao mundo que também somos verdes. É um compromisso civilizatório. 

Gratidão ao jornalista Washington Novaes, pioneiro na defesa do desenvolvimento sustentável no Brasil.

PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BRADESCO. 

ESCREVE A CADA DUAS SEMANAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.