Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Empreendedor brasileiro lança rede social de autoajuda

John Lima, que vendeu sua empresa Cyclades por US$ 90 milhões em 2006, investe agora em internet

, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2009 | 00h00

John Lima é um empreendedor brasileiro que alcançou sucesso no Vale do Silício, coração da indústria de tecnologia americana. Em 2006, ele e seu sócio Daniel Dalarossa venderam a Cyclades, fabricante de equipamentos de redes, para a americana Avocent, por US$ 90 milhões. Agora, ele volta com uma rede social de autoajuda, chamada YuBliss. O serviço será lançado primeiro no Brasil, na semana que vem."No Brasil, eu tenho um pouco mais de infraestrutura, um pouco mais de apoio", afirmou John Lima (na verdade, o primeiro nome é João, mas ele mudou porque os estrangeiros tinham dificuldade de pronunciar). "Com a experiência do Orkut, o Brasil por algum motivo tem uma motivação maior para adotar redes sociais e eu quis começar a fazer o teste por aí." A empresa de Lima, que se chama Coffee Bean Technology, tem sede em Pleasanton, nos Estados Unidos, mas o desenvolvimento do site foi feito no Brasil.O objetivo do site é fazer as pessoas contarem suas histórias, e aprenderem com as histórias de outras pessoas, relacionando-as a mitos modernos, como o mito do consumismo e o mito do progresso tecnológico. A ideia surgiu a partir do contato de Lima com o trabalho do escritor americano Joseph Campbell, que publicou O Poder do Mito e também serviu de inspiração para George Lucas na série de filmes Guerra nas Estrelas. Para atualizar as ideias do escritor, Lima contou com a ajuda do estudioso Sam Keen, autor de vários livros sobre mitos."Estamos entrando numa segunda fase das redes sociais", disse Lima. "Agora, as pessoas vão participar de redes sociais especializadas, que têm um objetivo." O YuBliss já está disponível em português e em inglês e, em breve, deve ser traduzido para outras línguas, como o espanhol. No lugar rede de autoajuda, o empresário prefere chamar, em português, o serviço de rede de autoconhecimento.Lima não revela quanto investiu no YuBliss. Ele teve a ideia quando ainda estava na Cyclades, mas o trabalho de desenvolvimento se concentrou no último ano. Qual é o modelo de negócios para o YuBliss? "Tem duas fases. Na primeira fase, temos de criar massa crítica. Depois que atingirmos esse volume, o modelo clássico é a venda de publicidade. Um outro modelo é um sistema de indicação para empresas, por exemplo, da área de psicologia ou crescimento pessoal. Empresas que tenham alguma relação com o tema de autoavaliação, que é um mercado grande."Falando por telefone de Pleasanton, Lima apontou que a crise está forte nos EUA. "Tenho muitas conexões no mercado de tecnologia, e quase todos os dias recebo e-mails de pessoas pedindo trabalho", explicou o empresário. "A coisa está no ar, e está pesada. Mas este acaba sendo também um momento propício para lançar YuBliss. As pessoas se questionam mais nessa hora."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.