Emprego cai pelo 4º mês em SP

Segundo a Fiesp, houve retração de 1,86% em janeiro

Anne Warth, O Estadao de S.Paulo

14 de fevereiro de 2009 | 00h00

O nível de emprego na indústria paulista caiu pelo quarto mês consecutivo em janeiro, segundo dados divulgados ontem pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O resultado com ajuste sazonal apontou queda de 1,86% em janeiro, ante dezembro. Sem o ajuste sazonal, o emprego recuou 1,34% em relação a dezembro, o que resultou no fechamento de 32,5 mil vagas. Na comparação com janeiro de 2008, também houve queda de 2,22%. Os dois resultados - com ou sem ajuste sazonal - foram os piores para meses de janeiro desde 2006, na série histórica divulgada pela entidade. Por mudança de metodologia, a pesquisa passou a avaliar 22 setores industriais, em vez dos tradicionais 21. Desse grupo de 22, 19 demitiram, dois contrataram e um manteve o nível de emprego estável.A queda de janeiro foi puxada pelo setor de veículos automotores, reboques e carrocerias, que demitiu 7.804 trabalhadores no mês, 24,01% do total das dispensas. A maioria ocorreu nas autopeças. Em segundo lugar, aparece o setor de confecção de artigos de vestuário e acessórios, com 4.309 cortes, ou 13,26% do total, seguido por produtos de borracha e material de plástico, com 3.699 demissões, 11,38% do total; produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos, com 2.951 demissões (9,08%); e produtos alimentícios, com 2.366 demissões (7,28% do total). Segundo a Fiesp, a tendência de demissões deve continuar em fevereiro. O indicador Sensor, que mede a confiança dos empresários, melhorou na primeira quinzena e ficou em 41,4 pontos - mais que os 38,7 da segunda quinzena de janeiro. Porém, dos itens que compõem o Sensor, o emprego ficou em 42,6 pontos. Na pesquisa, resultados abaixo dos 50 pontos indicam pessimismo. "Isso indica que a intenção dos empresários é continuar demitindo", disse o diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Paulo Francini.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.